Reino Unido tira Portugal dos corredores aéreos, mas deixa Madeira e Açores

O Reino Unido decidiu retirar Portugal Continental dos corredores aéreos, mantendo a Madeira e os Açores. Já a Suécia foi integrada na lista dos corredores aéreos.

O Reino Unido decidiu retirar Portugal Continental dos corredores aéreos, mantendo a Madeira e os Açores, anunciou o secretário de Estado dos Transportes britânico, Grant Shapps, no Twitter.

Os dados mostram que temos de remover Portugal (menos os Açores e a Madeira), a Hungria, a Polinésia Francesa e a ilha da Reunião da lista dos corredores aéreos para manter todos seguros“, escreveu Grant Shapps, anunciando que a nova lista aplica-se a partir das 4 horas da madrugada deste sábado, 12 de setembro. Caso haja passageiros desses destinos a chegar ao Reino Unido após essa hora, estes terão de fazer um isolamento profilático de 14 dias.

O político britânico explica que agora o Governo tem a capacidade de avaliar as ilhas em separados do continente. Assim, “se chegar à Inglaterra vindo dos Açores ou da Madeira, não será necessário o isolamento de 14 dias“, clarifica.

Esta é uma reversão face à decisão tomada a 20 de agosto, com efeito prático a 22 de agosto, em que Portugal foi incluído nos corredores aéreos. Na semana passada, em declarações ao ECO, antecipando esta decisão que veio a concretizar-se, o presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira, admitiu que esta iria atingir o “coração” do turismo português, principalmente para o Algarve. Recorde-se que, após o anúncio da abertura, as reservas turísticas para o Algarve dispararam e várias transportadoras aéreas reforçaram as ligações entre os dois países.

Na semana passada, já se falava no possível regresso de Portugal à “lista negra”, mas o Reino Unido acabou por manter o país nos corredores aéreos. Contudo, tanto o País de Gales como a Escócia decidiram nessa altura voltar a incluir Portugal na lista de países cujos passageiros têm de fazer quarentena à chegada.

Além de excluir os territórios já referidos, o Reino Unido decidiu esta semana adicionar a Suécia aos corredores aéreos.

Quando anunciou a entrada de Portugal nos corredores aéreos, Grant Shapps tinha avisado que a situação podia “mudar rapidamente”, tendo recomendado nessa altura aos britânicos para “apenas” viajarem se estivessem confortáveis em cumprir uma quarentena de 14 dias, de forma “inesperada”. “Falo por experiência”, acrescentou na altura, referindo-se à sua viagem a Espanha que o obrigou a cumprir essa mesma quarentena, após a retirada do país — durante as férias — da lista por parte do Governo de que faz parte.

Em agosto, o responsável pela pasta dos Transportes no Governo britânico tinha também dado a conhecer os fatores que levam a mudanças na lista: a prevalência estimada do vírus no país; o nível e a taxa de crescimento dos casos positivos confirmados; o nível de testes do país; “até que ponto é que os casos podem ser atribuídos a um surto contido por oposição a uma transmissão mais geral na comunidade”; as medidas do Governo; e outra informação epidemiológica que seja relevante.

Madeira congratula-se com decisão

É muito importante para a economia da Madeira e para o turismo“, disse Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional da Madeira, em declarações transmitidas pela SIC Notícias, reagindo à decisão do Reino Unido de manter a Madeira nos corredores aéreos apesar de ter retirado Portugal Continental.

Para Miguel Albuquerque este é um “reconhecimento importante do trabalho feito” para controlar e conter a evolução da pandemia no arquipélago, assim como do “empenhamento da população”. De acordo com o boletim da DGS desta quinta-feira, a Madeira regista até ao momento 160 casos e zero mortes.

O presidente do Governo Regional da Madeira disse ainda que o mercado britânico tem uma “quota importante” no mercado turístico madeirense, a qual “está em recuperação gradual, a par do mercado alemão”. “É muito importante que este corredor se mantenha aberto para ter essa recuperação gradual“, acrescentou.

(Notícia atualizada às 17h41 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido tira Portugal dos corredores aéreos, mas deixa Madeira e Açores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião