PS pede esforço de “todas as forças democráticas” sem esquecer “geringonça”

  • Lusa
  • 10 Setembro 2020

Para recuperar a economia, o deputado socialista Porfírio Silva defendeu a necessidade de “estabilidade política necessária à vastidão da tarefa”.

O PS defendeu esta quinta-feira o esforço de “todas as forças democráticas”, incluindo a direita, na recuperação do país após a pandemia, mas alertou que não se deve desperdiçar a experiência dos entendimentos à esquerda nos últimos cinco anos.

O desafio foi lançado por Porfírio Silva, vice-presidente da bancada socialista, numa declaração política, sem réplica, na comissão permanente, órgão que substitui o plenário da Assembleia da República durante as férias, e em que citou o sociólogo Boaventura Sousa Santos para reeditar o apelo do primeiro-ministro, António Costa, para um entendimento à esquerda, com PS, BE, PCP e PEV.

Para recuperar a economia, abalada pela crise causada pela pandemia de covid-19 desde março, que paralisou parcialmente a economia, o deputado socialista defendeu a necessidade de “estabilidade política necessária à vastidão da tarefa”.

“Usarei uma expressão de um conhecido sociólogo português: agir ‘contra o desperdício da experiência’”, afirmou, citando o título de um livro de Boaventura Sousa Santos, “A Crítica da Razão Indolente: Contra o Desperdício da Experiência”.

O plano de recuperação “não começa do zero” e, argumentou, “não faria sentido que o plano de recuperação fizesse tábua rasa das realizações destes últimos anos” nem seria sensato “desperdiçar a experiência de cooperação estruturada acumulada pela maioria parlamentar das esquerdas”, desde 2015, que ficou conhecida por “geringonça”.

Para Porfírio Silva, houve “uma aprendizagem conjunta, sem ignorar as diferenças”, mas “fazendo o trabalho de resolver os problemas”. “Contra o desperdício da experiência, devemos mobilizá-la para fazer o que falta fazer, num rumo claro: melhor economia e uma sociedade decente têm de ir a par. É que a desigualdade e a pobreza, além de fazerem mal à nossa humanidade, também fazem mal à economia”, afirmou.

Na sua intervenção, o parlamentar socialista pediu o esforço de “todas as forças democráticas, incluindo aquelas que, hoje na oposição, se preparam para ser governo no futuro”. “A política democrática precisa de ser simultaneamente cooperação e competição: cooperação competitiva, competição cooperativa”, acrescentou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 904 mil mortos e quase 28 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.852 pessoas dos 62.126 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS pede esforço de “todas as forças democráticas” sem esquecer “geringonça”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião