Estabelecimentos a 300 metros das escolas vão ter limite de 4 pessoas por grupo

Os restaurantes, cafés e pastelarias a 300 metros das escolas vão ter um limite máximo de 4 pessoas por grupo. Costa pede "responsabilidade" a cada um.

O Conselho de Ministros desta quinta-feira definiu as regras de contingência que vão aplicar-se a partir de 15 de setembro, nomeadamente as que se refere às escolas. Uma das novidades é que os restaurantes, cafés e pastelarias a 300 metros das escolas vão ter um limite máximo de quatro pessoas por grupo.

O objetivo da medida é evitar “grandes ajustamentos à saída da escola”, nomeadamente nos estabelecimentos próximos onde os alunos tendem a juntar-se. “As regras sanitárias têm de ser seguidas no exterior dos estabelecimentos de ensino”, apelou o chefe do Governo, referindo que o critério dos 300 metros já foi utilizado noutras ocasiões.

“Esta quinzena vai ser marcada muito especialmente pela reabertura do ano letivo”, disse António Costa no anúncio das medidas ao país. “Se queremos ter um ano letivo tão tranquilo e seguro quanto possível, sabendo que vai ser um ano letivo onde para além de professores, auxiliares, alunos, assistentes operacionais e técnicos e todo pessoal das escolas, vamos ter essa nova realidade que é este vírus, isto requer cuidados particulares dentro e fora da escola“, avisou.

No regresso às aulas presenciais entre 14 e 17 de setembro, há quatro ferramentas que estarão no terreno: readaptação do funcionamento das escolas à nova realidade sanitária; planos de contingência em todas as escolas; distribuição de EPIs (equipamento de proteção individual); referencial de atuação perante caso suspeito, caso positivo ou surtos.

“Temos de nos organizar para fazer um grande esforço para que tudo possa correr bem, para que o ano letivo possa decorrer tanto quanto possível só com ensino presencial”, concretizou Costa, ressalvando que “isso não quer dizer que não haja uma rede de segurança em casa através da televisão ou esteja em curso o programa de escola digital para garantir a universalidade do acesso ao ensino à distância a qualquer criança“. Ontem foi anunciado que a telescola vai continuar na RTP e será alargada ao ensino secundário.

O primeiro recordou que a Direção-Geral da Saúde (DGS) definiu “atempadamente e difundiu para as escolas as orientações sobre como devem ser organizados os espaços escolares, os horários e as medidas de contingência quanto houver um infetado ou um surto”. “O objetivo tem de ser sempre detetar o mais cedo possível para que as medidas de isolamento tenham de ser mais contido possível“, afirmou, apesar de admitir que se possa encerrar uma escola, “ainda que temporariamente”.

“Isso é essencial para evitar as contaminações na escola, mas também na família. Temos a responsabilidade de proteger a nós próprios, mas também os outros”, concluiu.

(Notícia atualizada às 14h48 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estabelecimentos a 300 metros das escolas vão ter limite de 4 pessoas por grupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião