Facebook, Google e Twitter ouvidos no senado norte-americano a 28 de outubro

  • Lusa
  • 6 Outubro 2020

Audição dos lideres das gigantes tecnológicas será centrada no controlo das empresas tecnológicas sobre o discurso do ódio e a desinformação nas suas redes sociais.

Os diretores-executivos do Facebook, Google e Twitter deverão testemunhar no dia 28 de outubro, numa audição no Senado norte-americano, centrada no controlo das empresas tecnológicas sobre o discurso do ódio e a desinformação nas suas redes sociais.

A Comissão de Comércio do Senado votou na semana passada a autorização para usar intimações para Mark Zuckerberg do Facebook, Sundar Pichai da Google e Jack Dorsey do Twitter para os obrigar a testemunhar se não concordassem em fazê-lo voluntariamente.

Os porta-vozes das empresas disseram esta segunda-feira que os responsáveis das gigantes tecnológicas irão cooperar.

A audição “deve ser construtiva e centrada no que mais interessa ao povo norte-americano: como trabalhamos juntos para proteger as eleições”, disse a empresa Twitter numa publicação naquela rede social.

A audição será realizada a menos de uma semana das eleições de 03 de novembro e marca uma nova iniciativa bipartidária contra as empresas tecnológicas que têm estado sob escrutínio crescente sobre questões de concorrência, privacidade do consumidor e discurso de ódio.

O testemunho é necessário “para revelar a extensão da influência que as suas empresas têm sobre o discurso norte-americano durante um período crítico do processo democrático”, disse o senador Roger Wicker, um republicano do Mississippi que dirige a Comissão do Comércio.

O Facebook, entretanto, está a aumentar as restrições à propaganda política, incluindo novas proibições de mensagens que alegam fraude generalizada aos eleitores.

As novas proibições surgiram dias depois do Presidente Donald Trump ter levantado a perspetiva de fraude em massa no processo de votação por correio durante o debate na semana passada com o rival democrata Joe Biden.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Facebook, Google e Twitter ouvidos no senado norte-americano a 28 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião