Lloyd’s lança seguro paramétrico para falhas de TI em PME

  • ECO Seguros
  • 8 Outubro 2020

O Lloyd’s of London, hub de referência global na subscrição de seguros, anunciou o lançamento de um seguro paramétrico para interrupção de negócio, por falhas de TI, em pequenas e médias empresas.

Designada Parametrix Insurance, a Lloyd’s of London lançou uma nova apólice correspondente ao produto desenvolvido pela insurtech de origem israelita Parametrix, e foi anunciada como a primeira e “única no género”, desenhada especificamente para proteger as PME contra perturbações ou paragens nos seus sistemas de informação, ou TI (Tecnologias de Informação).

Na comunicação que anuncia a nova solução, Trevor Maynard, diretor de Inovação do Lloyd’s, referiu: “Sabemos que os produtos e serviços de seguros têm de evoluir para responder aos desafios da pandemia de Covid-19 e ajudar os nossos clientes a cobrir riscos novos ou acrescidos que possam encontrar agora ou no futuro”.

A nova solução substitui o gatilho de indemnização (indemnity trigger), tradicionalmente utilizado pela maioria das apólices de seguros, por um gatilho paramétrico, significando que o pagamento faz instantaneamente, sempre que os serviços críticos de TI de um cliente, incluindo falhas na nuvem, comércio eletrónico ou os sistemas de pagamento, sofram perturbação.

Citado no comunicado do Lloyd’s of London, o co-fundador e CEO da Parametrix Insurance, Yonatan Hatzor, afirmou: “As empresas passaram a gerir a maior parte das suas operações críticas de TI utilizando fornecedores de serviços de terceiros, aumentando assim a sua vulnerabilidade à perturbação. Como resultado, o tempo de paragem de tecnologia crítica tornou-se atualmente o risco com crescimento mais rápido para as empresas, quer se trate ou não de uma empresa de tecnologia. Além disso, o processo de reclamações existente no terreno é complicado, dispendioso e demorado”.

O novo produto do Lloyd’s é liderado pela Tokio Marine Kiln (TMK), beneficiando ainda do apoio de outros membros da Lloyd’s Product Innovation Facility, incluindo a Renaissance Re.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lloyd’s lança seguro paramétrico para falhas de TI em PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião