Insolvências aceleram em Portugal. Hotelaria e restauração no top

Setembro "afirma-se como o mês deste ano com maior número de insolvências, 660 registos". No global do ano, em contexto de pandemia, houve já 3.877 insolvências.

As insolvências continuam a crescer, num contexto de crise provocada pela pandemia. Registaram em setembro um forte aumento, tendo este sido o mês com maior número de empresas portuguesas a declararem falência: 660.

De acordo com dados da Iberinform, setembro “afirma-se como o mês deste ano com maior número de insolvências, 660 registos. Face ao ano passado, este valor traduz um incremento de 53,5%. Este é o valor mais elevado verificado em setembro desde 2017″.

No global do ano, “há registo de 3.877 insolvências, com mais 424 empresas insolventes, o que traduz um incremento de 12,3% face ao período homólogo de 2019”. Foi declarada a insolvência de 2.100 empresas, mais 220 que no mesmo período do ano passado, enquanto “os encerramentos com planos de insolvência tiveram uma redução de 15%”.

“O setor transformador é o que regista o maior número de insolvências até final de setembro (917), seguido pelos serviços (776), construção e obras públicas (540), comércio a retalho (461), comércio por grosso (452) e hotelaria e restauração (340)”, diz a Iberinform.

Contudo, “o maior aumento percentual pertence ao setor das telecomunicações (+166,7%), seguido pela hotelaria e restauração (+30,8%) e pelos serviços (+22,8%)”, nota. Só a agricultura, caça e pesca apresenta uma variação negativa de 9,1%, enquanto o “setor da eletricidade, gás e água tem uma variação nula face a de 2019 (oito insolvências)”.

Lisboa e Porto dominam. Castelo Branco com forte aumento

Por distritos, Lisboa e Porto mantêm as posições dianteiras em termos de insolvências nos primeiros nove meses deste ano. A cidade Invicta lidera em valores absolutos com 986 insolvências contra 806 em Lisboa”, diz a Iberinform. “Em termos percentuais, Lisboa apresenta um incremento de 18,5% face ao desempenho de 2019, enquanto o Porto vê o indicador crescer 12,9%”.

“Contudo, os maiores aumentos verificam-se em Castelo Branco (*56,4%), Angra do Heroísmo (+46,2%), Faro (+39,7%), Viana do Castelo (+39,2%), Madeira (+26,3%), Évora (+23,3%) e Beja (+20%)”, refere. Num cenário de incremento de insolvências há, contudo, quatro distritos com variações negativas: Horta (-33,3%), Coimbra (-19,8%), Guarda (-15,2%) e Aveiro (-0,3%). Vila Real tem variação nula, com 32 insolvências.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Insolvências aceleram em Portugal. Hotelaria e restauração no top

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião