Orçamento “não pode faltar” na resposta à crise social e económica

  • Lusa
  • 11 Outubro 2020

Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do BE, afirmou que o partido não vai abdicar de uma “resposta fundamental a um período pandémico, a um período de crise social e crise económica” no OE.

O líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, afirmou que o partido não vai abdicar de uma “resposta fundamental a um período pandémico, a um período de crise social e crise económica” no Orçamento do Estado para 2021.

A proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) “não pode faltar à resposta fundamental a um período pandémico, a um período de crise social e crise económica”, defendeu o deputado bloquista em Ponta Delgada, num encontro de candidatos que marcou o início da campanha para as eleições regionais dos Açores, que acontecem em 25 de outubro.

Pedro Filipe Soares elencou as áreas prioritárias para o Bloco de Esquerda, começando pelo Serviço Nacional de Saúde, que precisa de ser reforçado de acordo com as necessidades atuais, mas o Governo da República está “agarrado a uma lista de necessidades de dezembro de 2019”, declarou.

O líder parlamentar alertou que a “crise económica e social bateu de forma mais forte e mais rápida a quem perdeu o seu posto de trabalho” e que “os primeiros e primeiras que sofreram foram os precários, quem não tinha, na Lei de Trabalho, uma proteção sobre a sua vida”.

Nesse sentido, o Bloco de Esquerda defende que as empresas que tenham tido lucro não possam despedir pessoas e que a manutenção dos postos de trabalho seja uma condição para aceder aos fundos comunitários.

Frisando que o “subsídio de desemprego chega a pouco mais de metade dos desempregados”, os bloquistas querem garantir que “a pobreza, que está a aumentar com a crise social e económica, não chegue a mais gente” e, por isso, sugere a criação de um “novo tipo de apoio social”. A essa proposta, a “resposta do Governo é sim, mas…”, adiantou Pedro Filipe Soares.

O executivo socialista sugere que “um adulto, se for cabeça de casal, vale um, mas o segundo adulto já só vale 0,7 e uma criança vale 0,5. Tudo pesado, o que isto quer dizer é que quanto mais crianças tiver uma família, mais situação de pobreza é aceitável perante esta lei”, disse o deputado.

O líder parlamentar questionou, ainda, se “faz sentido”, “depois de tantos anos em que o país teve em cima de si um sistema financeiro que sugou” os seus recursos, continuar a “dizer que sim ao Novo Banco”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Orçamento “não pode faltar” na resposta à crise social e económica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião