Apoio aos carros elétricos mantém-se. Para bicicletas também

Incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões manter-se-á válido tanto para automóveis como para motas e bicicletas. Dotação é de quatro milhões de euros.

O Governo vai continuar a apoiar a compra de veículos elétricos durante o próximo ano. O incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões manter-se-á válido tanto para automóveis como para motas e bicicletas.

“No âmbito das medidas da ação climática é mantido o incentivo à introdução no consumo de veículos de zero emissões, financiado pelo Fundo Ambiental, nos termos a definir por despacho do membro do Governo responsável pelas áreas do ambiente e da ação climática”, refere a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2021 obtida pelo ECO.

“O incentivo previsto no número anterior é extensível a motociclos de duas rodas e velocípedes e a ciclomotores elétricos que possuam homologação europeia e estejam sujeitos a atribuição de matrícula, quando aplicável, com exclusão daqueles classificados como enduro, trial, ou com sidecar”. Tal como este ano, o “incentivo previsto no número anterior é ainda extensível às bicicletas de carga”.

O incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões contou, este ano, com uma dotação de quatro milhões de euros, valor que Matos Fernandes, ministro do Ambiente, tinha já revelado que iria manter-se.

No âmbito deste apoio, os particulares podem receber um “cheque” de 3.000 euros para a compra de carros elétricos com um valor até 62.500 euros, sendo que as empresas podem obter quatro apoios com um valor de 2.000 euros.

No caso das motas e bicicletas elétricas, o “cheque” é equivalente a a 50% do valor de aquisição, até um máximo de 350 euros. A diferença entre particulares e empresas, neste caso, está em que os primeiros só podem pedir um apoio e as empresas têm direito a quatro “cheques”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apoio aos carros elétricos mantém-se. Para bicicletas também

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião