TAP custa 1,2 mil milhões este ano e ainda garante aval para empréstimo de 500 milhões

Governo prevê que a companhia aérea use a totalidade do apoio público de 1.200 milhões este ano, mas admite incerteza sobre o próximo ano. Prefere, no entanto, que a empresa se financie no mercado.

O Executivo liderado por António Costa espera que a companhia aérea venha a precisar da totalidade do apoio público previsto — 1.200 milhões de euros — ainda esta ano, mas admite incerteza sobre as necessidades no próximo ano. Neste sentido, pôs de lado mais 500 milhões de euros para ajudar a TAP.

“No ano de 2020, a TAP Air Portugal deverá utilizar a totalidade dos 1.200 milhões de euros de empréstimo do Estado, o que lhes permitirá enfrentar com mais confiança as necessidades do início do ano económico de 2021“, começa por dizer o Governo, na proposta de Orçamento do Estado para 2021 que deu entrada esta segunda-feira no Parlamento.

No entanto, o valor necessário para 2021 é ainda “incerto” devido à evolução da pandemia e correspondente evolução da procura, às opções que venham a ser adotadas no plano de reestruturação (quanto à reestruturação financeira e redefinição do posicionamento estratégico da companhia) bem como à atuação transversal ao nível europeu no apoio ao setor.

Caso a TAP venha a precisar de mais dinheiro, o Governo prefere que a companhia aérea se financie no mercado de capitais e promete ajudar. Por isso, no “Orçamento do Estado para 2021, o valor previsto para garantias, acomoda 500 milhões de euros a conceder eventualmente para que a empresa, apesar da crise do setor se possa financiar em mercado, sempre no âmbito da aplicação de um plano de reestruturação que possa criar as condições para a sustentabilidade e competitividade da empresa”, acrescenta.

A transportadora aérea portuguesa está a ser alvo de um processo de reestruturação, cujo plano tem de ser entregue à Comissão Europeia até 10 de dezembro, no âmbito do empréstimo estatal de até 1.200 milhões de euros, que implica a redução da sua dimensão, cortando frota e trabalhadores.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

TAP custa 1,2 mil milhões este ano e ainda garante aval para empréstimo de 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião