ASF autoriza criação da Mapfre Santander Portugal

  • ECO Seguros
  • 14 Outubro 2020

Mapfre já pode tomar 50,01% da Popular Seguros ficando o Santander Seguros o restante capital. A ASF não se opõe. O nome muda para Mapfre Santander Portugal.

O Conselho de Administração da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) deliberou não se opor à aquisição, pela Mapfre Seguros Gerais de uma participação qualificada direta correspondente a 50,01% das ações representativas do capital social e dos direitos de voto da Popular Seguros, mantendo a Santander Totta Seguros de Vida a propriedade do capital social remanescente.

O supervisor autorizou ainda a Popular Seguros, a alterar a sua denominação social para Mapfre Santander Portugal – Companhia de Seguros.

A parceria possibilita ao Santander Seguros a distribuição exclusiva em Portugal, até dezembro de 2037, dos seguros automóvel, multirriscos para PME e de responsabilidade civil da Mapfre.

A Popular Seguros pertencia a 100% ao Santander Totta Vida e entra agora numa parceria semelhante à já existente em Portugal entre o grupo espanhol e a Aegon, uma gigante holandesa de seguros que detém 51% das Aegon Santander Portugal Vida e Aegon Santander Portugal Não Vida.

O grupo Santander é, por dados de 2019, o 5º maior grupo segurador em Portugal com cerca de 804 milhões de prémios emitidos e 6,5% de quota de mercado total. A Popular Seguros, que agora passa para a órbita da Mapfre, ocupava apenas a 51º posição do ranking nacional com pouco mais de 5,48 milhões de prémios emitidos, apenas em ramos Não Vida.

A Mapfre em Portugal emitiu prémios no valor de cerca de 100 milhões de euros em ramos Não Vida em 2019, sendo 20º do ranking, e apenas 34ª com a companhia do ramo Vida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ASF autoriza criação da Mapfre Santander Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião