Incerteza nos estímulos volta a prejudicar Wall Street

O secretário do Tesouro dos EUA admitiu que será difícil ter um acordo sobre os estímulos antes das eleições. Esta incerteza voltou a penalizar a negociação bolsistas com Wall Street a descer.

Wall Street fechou esta quarta-feira em terreno negativo, acumulando duas sessões negativas. O sentimento dos investidores foi penalizado pelos comentários do secretário do Tesouro dos EUA. Steven Mnuchin disse que não deverá haver um novo pacote de estímulos antes das eleições presidenciais marcadas para 3 de novembro.

Estes comentários de Mnuchin seguem-se à disputa já conhecida entre os democratas e os republicanos no congresso e no senado, respetivamente. “Neste momento ter algo concluído antes das eleições e executá-lo será difícil dado onde estamos e o nível de detalhe [das negociações], mas vamos tentar a continuar a trabalhar nesses assuntos“, disse o secretário do Tesouro numa conferência, citado pela imprensa norte-americana.

Esta terça-feira Nancy Pelosi, a líder democrata no Congresso norte-americano (com maioria democrata), disse que a proposta da Casa Branca para o novo pacote de estímulos de 1,8 biliões de dólares era insuficiente nas matérias relacionadas com os cuidados de saúde. Por outro lado, Mitch McConnell, o líder republicano no Senado norte-americano (com maioria republicana), disse que irá colocar em votação um pacote de estímulos mais pequeno na próxima semana.

Este adiamento dos novos estímulos tem tirado confiança aos investidores, levando à queda das ações nas últimas duas sessões, ao contrário das sessões anteriores em que havia alguma expectativa de acordo entre democratas e republicanos. O Dow Jones desceu 0,58% para os 28.514,00 pontos, o S&P 500 cedeu 0,66% para os 3.488,67 pontos e o Nasdaq desvalorizou 0,8% para os 11.768,73 pontos.

Entre as cotadas, o destaque vai para a Amazon e a Microsoft, ambas com quedas nesta sessão, puxando para baixo o S&P 500. É de notar ainda a queda superior a 4 e a 5% do Bank of America e do Wells Fargo após terem divulgado resultados que ficaram abaixo das expectativas. Já o Goldman Sachs subiu ligeiramente com uma melhoria do segmento de trading nas contas do banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incerteza nos estímulos volta a prejudicar Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião