Seguradora do ABANCA e Crédit Agricole Assurances já arrancou

  • ECO Seguros
  • 14 Outubro 2020

Designa-se ABANCA Seguros Generales vai ter sede em Espanha, atuar em não-vida na península ibérica e lança primeiros seguros no início de 2021. Começaram no Porto as reuniões operacionais.

Os executivos da ABANCA e Crédit Agricole Assurances realizaram no Porto, a primeira reunião de acompanhamento do projeto de seguros gerais lançado por ambos os grupos em 2019 para operar no mercado ibérico.

Top management na primeira reunião: Francisco Botas, CEO do ABANCA, Philippe Dumont, CEO do Crédit Agricole Assurances, Juan Carlos Escotet Rodríguez, presidente do ABANCA e Guillaume Oreckin, Head of International Division do Crédit Agricole Assurances.

A primeira reunião fez parte do modelo de governação acordado por ambas as entidades e contou com o nível executivo máximo no conjunto de equipas que já estão a trabalhar no desenvolvimento do projeto. Do lado do ABANCA, participaram o Presidente Juan Carlos Escotet Rodríguez, o CEO Francisco Botas e o Diretor Geral do ABANCA Seguros, Álvaro García Diéguez. Do lado do Crédit Agricole Assurances, estiveram presentes o CEO Philippe Dumont e o Head of International Division, Guillaume Oreckin.

O acordo de colaboração entre o Crédit Agricole Assurances, fortemente posicionada em bancassurance, e o ABANCA, instituição financeira sedeada na Galiza e com 70 balcões em Portugal, envolve a criação de uma joint-venture 50/50 para oferecer produtos Não Vida por via digital.

A companhia denominada ABANCA Seguros Generales, irá oferecer ao mercado de seguros em Portugal e Espanha “produtos inovadores, apoiados em soluções tecnológicas de ponta e acompanhados por uma experiência diferenciada ao cliente”, afirma a Abanca Generales em comunicado.

Segundo as empresas parceiras, “a colaboração no mercado dos seguros faz parte de uma aliança mais ampla entre o ABANCA e o Crédit Agricole”. No mês passado, ambos os grupos anunciaram a aquisição pelo ABANCA do Bankoa, uma entidade que opera essencialmente no norte de Espanha. Além disso, o ABANCA e o Crédit Agricole chegaram a um acordo comercial de âmbito internacional através do qual cada entidade será parceiro preferencial da outra nos países em que apenas uma delas opera.

O Crédit Agricole adquiriu recentemente os 25% do capital que lhe faltava da GNB Seguros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradora do ABANCA e Crédit Agricole Assurances já arrancou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião