Governo prevê investir 1.369 milhões nas qualificações e competências

No Plano de Recuperação e Resiliência entregue em Bruxelas, o Governo prevê que, nos próximo anos, serão investidos 1.369 milhões de euros nas qualificações e competências dos trabalhadores.

O primeiro-ministro António Costa entregou, esta quinta-feira, em Bruxelas o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), documento em que prevê que, nos próximos anos, serão investidos 1.369 milhões de euros nas qualificações e competências dos trabalhadores portugueses, para promover o potencial produtivo e o emprego do país.

No documento a que o ECO teve acesso, o Governo detalha que, desse montante, a maior fatia (710 milhões de euros) terá como destino a modernização do ensino profissional. O Executivo estima, por outro lado, dedicar 360 milhões de euros às qualificações e competências para a inovação e renovação industrial, bem como 140 milhões de euros ao impulso jovem STEAM, 120 milhões de euros ao impulso adultos, 29 milhões de euros à qualificação de adultos e aprendizagem ao longo da vida e ainda outros dez milhões de euros à capacitação empresarial.

O Governo explica que os baixos níveis de qualificação da população ativa portuguesa constituem hoje “um entrave ao crescimento da economia” e da “convergência europeia”. Os investimentos previstos servirão, por isso, para “aumentar a capacidade de resposta do sistema educativo e formativo português“, de modo a combater as desigualdades sociais e aumentar a resiliência do emprego. Isto sobretudo entre os jovens e os adultos com baixas qualificações.

No PRR, o Executivo detalha quais os objetivos pretendidos com cada um dos destinos escolhidos para o investimento. No que diz respeito ao ensino profissional, por exemplo, o objetivo é “dar-lhe credibilidade e qualidade”, atualizando as competências e investindo na capacitação das “gerações jovens face às exigências atuais da prática profissional decorrentes da transição digital e energética da economia”.

Já relativamente à inovação industrial, está previsto uma “série de investimentos no ensino profissional nas áreas de renovação industrial em articulação com o mundo empresarial“, promovendo também a reconversão das competências de adultos.

No que aos jovens diz respeito, pretende-se apostar nas áreas STEAM: ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática. Tal deverá atrair mais jovens para “o ensino superior, em particular os jovens das vias profissionalizantes”.

O Governo quer ainda alargar a rede de promotores de educação de adultos, em todo o território nacional, em articulação com os Centros Qualifica. Isto para promover os processos de escolarização, “garantindo níveis básicos de literacia e de inclusão social, através da criação de uma oferta adequada de educação e formação alinhada com o Plano Nacional de Literacia de Adultos”.

Tudo somado, o Governo estima que tais apostas custarão 1.369 milhões de euros, montante que será coberto a 100% por subvenções do Mecanismo de Recuperação e Resiliência (MRR). De notar que, apesar do Plano de Recuperação e Resiliência prever disponibilizar a Portugal 15,7 mil milhões de euros em empréstimos (além de 12,9 mil milhões de euros em subvenções), o primeiro-ministro afirmou que a prioridade do Executivo é maximizar o uso das subvenções, minimizando o recurso a empréstimos.

(Notícia atualizada às 11h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prevê investir 1.369 milhões nas qualificações e competências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião