Governo confortável com qualquer decisão da AR sobre uso da aplicação

  • Lusa
  • 16 Outubro 2020

“O Governo está confortável com qualquer que seja a decisão que a AR venha a tomar, porque o que está em causa são dúvidas, que todos temos consciência que existam", assumiu Mariana Vieira da Silva.

A ministra do Estado e da Presidência disse esta sexta-feira que a obrigatoriedade da instalação no telemóvel da aplicação Stayaway Covid será decidida no Parlamento e o Governo está “confortável com qualquer que seja a decisão”.

“O Governo está confortável com qualquer que seja a decisão que a Assembleia da República venha a tomar, porque o que está em causa são dúvidas, e esclarecimentos, que todos temos consciência que existem”, assumiu Mariana Vieira da Silva, quando questionada pela agência Lusa se o Governo pondera recuar na obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid.

Em declarações à margem da inauguração do 109º Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes (CLAIM), a ministra de Estado e da Presidência disse que o Governo considerou “necessário dar este passo no sentido de que este diálogo pudesse ser feito no espaço próprio que é o parlamento”.

A governante assumiu que o executivo está “muito confortável com qualquer que venha a ser a decisão do parlamento nesta matéria”. “Estamos numa situação em que é preciso definir medidas progressivamente. A reflexão que fizemos foi sobre a importância de garantir novas medidas. Há medidas que, por afetarem os nossos direitos, as nossas liberdades devem ser discutidas no parlamento e é isso que esperamos”, justificou.

Mariana Vieira da Silva disse que o Governo agora espera que “o Parlamento faça as audições que tem de fazer, que ouça os especialistas, ouça os epidemiologistas e avalie da bondade e da necessidade da medida”.

“Muitas dúvidas, todos temos e eu também tenho, e por isso é que o debate deve ser feito nas instituições a quem cabe decidir se no equilíbrio entre os direitos e as necessidades se esta medida vale a pena e faz sentido, porque as dúvidas que temos ouvido todos temos e o Governo também as tem. São decisões muito difíceis na linha de muitas outras decisões difíceis que tomámos”, assumiu.

A governante aproveitou a presença dos jornalistas para apelar a que “todos possam descarregar a aplicação” avisando que “ela é um apoio aos médicos de saúde pública que estão a fazer rastreamento de contactos”.

“Este apoio tecnológico não é tudo, não substituiu nenhuma das outras dimensões, mas pode ser importante para ajudar a quebrar as cadeias de transmissão”, acrescentou a ministra do Estado e da Presidência.

Questionada se o Governo vai diminuir a presença em eventos um pouco por todo o país, Mariana Vieira da Silva disse que “tem feito isso em permanência” uma vez que desde o início da pandemia “diminuirão muitíssimo as presenças públicas de membros do Governo”.

“Agora há algumas que têm de ser mantidas, o país tem de sentir que o Governo está presente em todos os territórios. Uma coisa é reduzir e reduzimos em muito outra coisa é deixar de estar presente e também não se justifica desde que em cada sítio onde estamos sejam cumpridas as regras, sejam mantidas as distâncias, sejam usadas as máscaras nos espaços e estejam as salas arejadas”, defendeu.

No seu entender, “há regras a cumprir e desde que elas sejam cumpridas a vida também deve continuar”, uma vez que não está em causa “desistir de ter uma vida em sociedade”, mas, neste momento, “há um conjunto de regras para cumprir”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo confortável com qualquer decisão da AR sobre uso da aplicação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião