“Tenho dificuldade em perceber que um OE com estas características não seja aprovado”, diz João Leão

  • ECO
  • 17 Outubro 2020

Leão garante que o Governo mantém abertura para negociar com os parceiros parlamentares e sublinha que tem "dificuldades em perceber" que OE não seja aprovado.

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2021 apresentada na Assembleia da República é a que “o país precisa” e garante que reflete as preocupações que o Executivo trabalhou “desde o início do verão com os parceiros parlamentares”. Em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, o governante atira por isso: “Tenho dificuldade em perceber que um orçamento com estas características não seja aprovado”.

Numa altura em que o OE ainda não tem aprovação na generalidade garantida, o ministro das Finanças sublinha que o Governo mantém o “espírito de diálogo”, permanecendo aberto a “negociar de forma equilibrada”. “Temos de dar respostas ao país e ser responsáveis”, frisa, referindo que a proposta apresentada ao Parlamento já reflete contributos do Bloco de Esquerda e do PCP.

“O essencial é que seja aprovado”, acrescenta João Leão. O governante avisa que a instabilidade política “é muito má para o ambiente económico e a credibilidade internacional do país”, mas reconhece que o Orçamento poderá ser aprovado “de diferentes formas” (o PS precisa de oito votos favoráveis ou de 15 abstenções, além dos 108 votos a favor dos deputados socialistas). “Não há formas fechadas de o aprovar e nós contamos aprová-lo, como sempre, com os parceiros à esquerda“, remata o ministro, que não exclui a possibilidade de vir a ser necessário um Orçamento Suplementar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Tenho dificuldade em perceber que um OE com estas características não seja aprovado”, diz João Leão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião