Novos casos em máximos mas Trump apela ao relaxamento das restrições nos EUA

  • ECO
  • 18 Outubro 2020

Apesar do aumento do número de casos de Covid-19 nos Estados Unidos, Donald Trump apelou ao relaxamento das restrições impostas em resposta à pandemia.

Donald Trump usou os comícios da sua campanha eleitoral em Michingan e em Wisconsin para apelar aos governadores desses estados para que relaxem as restrições impostas em resposta à pandemia de coronavírus, avança este domingo o Financial Times (acesso pago). Isto apesar destas regiões estarem a registar recordes diários de novas infeções.

De acordo com o referido jornal, o candidato presidencial republicano criticou as decisões tomadas por Gretchen Whitmer, governadora do Michingan, e Tony Evers, governador do Wisconsin, em resposta à crise pandémia e sublinhou que deviam relaxar as restrições.

Este apelo acontece numa altura em que estado do Michingan registou 1.791 novos casos de Covid-19, ligeiramente abaixo do máximo histórico de 2.030, também verificado esta semana. Já o Wisconsin registou 3.861 novos casos, na sexta-feira.

Nos comícios deste sábado, Donald Trump abordou ainda o facto de ele próprio ter estado infetado com o novo coronavírus, tendo garantido aos republicanos: “Estou imune. Melhorei depressa”.

Segundo as sondagens mais recentes, Joe Biden — o candidato presidencial dos democratas — está à frente de Donald Trump nas intenções de votos em ambos os estados em questão. Na generalidade dos Estados Unidos, o democrata tem atualmente uma vantagem de nove pontos, assegura o Financial Times.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novos casos em máximos mas Trump apela ao relaxamento das restrições nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião