Suíça declara obrigatório uso de máscara em locais públicos fechados

  • Lusa
  • 18 Outubro 2020

Face ao aumento exponencial de casos de Covid-19, o Governo da Suíça decidiu tornar obrigatório o uso de máscara nos locais públicos fechados.

O Governo federal da Suíça anunciou, este domingo, que o uso de máscara em locais públicos fechados passa a ser obrigatório a partir de segunda-feira, uma das medidas para conter o crescimento “exponencial” da pandemia de Covid-19 naquele país.

“Na última semana as infeções duplicaram”, o crescimento do número de casos é agora “exponencial”, afirmou a presidente da confederação suíça, Simonetta Sommaruga, citada pela Agência France Presse (AFP). Em conferência de imprensa, o ministro federal da Saúde, Alain Berset, revelou que o índice de positividade do teste ronda os 15% e 16%.

Centenas de pessoas manifestaram-se este domingo, em frente ao Palácio Federal, em Berna, em oposição a esta medida. Também a partir de segunda-feira passam a ser proibidos ajuntamentos com mais de 15 pessoas em espaços públicos e o uso de máscara passa a ser igualmente obrigatório em estações, aeroportos e paragens de autocarro e elétrico.

Por outro lado, os clientes de discotecas, bares ou restaurantes só podem consumir sentados. O Governo recomenda ainda o teletrabalho.

A Suíça é o país da Europa onde a doença progrediu mais rapidamente na semana passada (146%). Nas últimas duas semanas, o rácio de infeção foi de 230 pessoas por 100 mil habitantes. No total, a pandemia de Covid-19 matou 1.822 pessoas na Suíça até sexta-feira.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e quase 40 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Suíça declara obrigatório uso de máscara em locais públicos fechados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião