Há 1.856 novos casos de Covid-19. Morreram 19 pessoas

Há 1.856 novos casos de Covid-19, que foram identificados nas últimas 24 horas. O número total de vítimas mortais subiu para 2.181.

Foram identificados, nas últimas 24 horas, 1.856 novos casos de Covid-19, subindo para 99.911 o número de infetados em Portugal desde o início da pandemia. Foram registadas mais 19 mortes, aumentando o número total de vítimas mortais para 2.181.

De acordo com o relatório divulgado este domingo, há neste momento em Portugal 38.730 casos ativos de Covid-19, mais 756 do que no último balanço. O número de recuperados também registou uma subida considerável. Nas últimas 24 horas, foram dados como “curados” 1.081 utentes, subindo para 59.000 o total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal.

No que diz respeito aos contactos sob vigilância, há agora mais 2.308 pessoas do que havia este sábado. No total, há atualmente 54.851 pessoas sob vigilância.

Os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde dão conta, por outro lado, que o número de internamentos subiu para 1.086, ou seja, nas últimas 24 horas houve 72 novos internamentos. Desse universo, 155 estão em unidades de cuidado intensivo, mais sete do que no último balanço.

Na análise por regiões, o Norte continua a destacar-se, tendo registado o número mais elevado de novos casos: 1.168. Nesta região, morreram nove pessoas, nas últimas 24 horas. Em Lisboa e Vale do Tejo, o número de casos de infeção subiu em 385 e morreram dez pessoas. Já no Centro, foram registados 231 novos casos; No Alentejo, mais 35; E no Algarve, mais 28. Nas regiões autónomas, verificaram-se oito novos casos na Madeira e um novo caso nos Açores.

Face à “evolução grave” da pandemia em Portugal, o Governo decidiu agravar o nível de alerta e colocar o país em estado de calamidade. A par disso ficaram limitados os ajuntamentos a cinco pessoas e passou a ser recomendado o uso de máscara na via pública, bem como a instalação da app de rastreio StayAway Covid. O Governo quer tornar estas últimas recomendações em obrigações, tendo apresentado no Parlamento um projeto de lei nesse sentido, que já está a gerar polémica.

(Notícia atualizada às 14h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 1.856 novos casos de Covid-19. Morreram 19 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião