Ministra Alexandra Leitão prefere que app de rastreio seja “facultativa” e não revela se já a instalou

  • ECO
  • 18 Outubro 2020

Alexandra Leitão explica que não estão previstos aumentos salariais para os funcionários públicos em 2021, mas admite que tal possa vir a mudar, com a negociação orçamental.

Ainda que não estejam previstos, por agora, aumentos salariais para os funcionários públicos em 2021, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admite que tal possa vir a mudar, tanto em sede de negociação suplementar com os sindicatos, como em sede de negociação orçamental. Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, a governante explica, por outro lado, que não podia defender a concretização da promessa de reforços remuneratórios de 1% por uma questão de solidariedade entre trabalhadores, numa altura em que a pandemia de coronavírus está a fazer tremer o mercado laboral.

Alexandra Leitão salienta também que no próximo ano quer cumprir a regra de uma entrada por cada saída na Função Pública para reforçar outros setores além da Saúde e assegura que vai lutar para que se inicie a discussão em torno da tabela remuneratória única, que tem ficado “distorcida”, dizem os sindicatos, com os aumentos não proporcionais dos últimos anos.

Sobre a app de rastreio StayAway Covid — cuja instalação o Governo pretende tornar de obrigatória –, a ministra diz preferir, pessoalmente, que a utilização de tal ferrramenta continue a ser facultativa e não revela se já a descarregou. Trata-se de uma questão do “foro pessoal e que não deve ser escrutinada publicamente por ninguém”, justifica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra Alexandra Leitão prefere que app de rastreio seja “facultativa” e não revela se já a instalou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião