StayAway Covid. Costa diz que houve “aumento significativo” de emissão de códigos de infetados

Costa assegura que não só houve, nos últimos dias, um aumento das pessoas a descarregar a StayAway Covid, como também subiu o número de códigos de infetados emitidos pelos médicos.

O primeiro-ministro, António Costa, garante que, nos últimos dias, não só aumentou o número de pessoas que descarregaram a StayAway Covid, como também subiu de modo “significativo” o número dos códigos de infetados emitidos pelos médicos para serem introduzidos na referida app de rastreio. Num “encontro” digital promovido pelo PS, o chefe do Executivo sublinhou que “há um grande desconhecimento” sobre essa ferramenta, o que justifica “grande parte da reação” à intenção do Governo de a tornar obrigatória em determinados contextos, como o laboral e o educativo.

Houve um aumento exponencial, nestes dias, das descargas [da app] e houve um aumento de outra coisa: Houve um aumento muito significativo do número de códigos emitidos pelos médicos e do número de comunicações de alerta na rede do StayAway Covid e isso é muito importante que aconteça, porque não basta ter a aplicação. Se as pessoas com quem eu estou estão infetadas e não carregam o alerta, não o recebo. Se eu estiver infetado e não fizer o alerta, não alerto ninguém”, afirmou o primeiro-ministro.

Este sábado, o Público avançou, citando dados do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, que até ao momento só foram gerados 730 códigos de infetados para serem introduzidos na app.

Ao mesmo jornal, o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) revelou, além disso, que há “alguma confusão” em volta destes procedimentos, tendo apontado alguns problemas na sua implementação: “Um dos problemas é que, muitas vezes, temos de ditar este código por telefone porque a pessoa está em casa. Outro é o facto de o código desaparecer depois de algum tempo”.

Na mesma linha, o presidente do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (que coordena a app) defendeu, também em declarações ao Público, que é preciso alterar a forma de obtenção dos códigos.

De acordo com a legislação em vigor, cabe ao médico obter junto da plataforma Trace Covid o código que tem, depois, de ser introduzido pelos infetados com o novo coronavírus na app StayAway Covid de modo a que as pessoas que estiveram perto nos últimos 15 dias, por mais de 15 minutos e a uma distância inferior a dois metros, sejam alertadas. Esse processo está a registar, no entanto, alguns problemas, garantem várias vozes.

Além disso, esta semana, o Governo entregou no Parlamento uma proposta de lei que torna obrigatória a instalação da StayAway Covid em determinados contextos, como o laboral e o educativo.

António Costa explicou, contudo, este sábado, que tal não significa que as forças de segurança poderão pedir aos portugueses para “abrir a mala e mostrar o telemóvel”. “Isso não faz sentido”, declarou o primeiro-ministro, referindo que “grande parte da reação” é justificada por um “grande desconhecimento sobre a app“.

Questionado sobre o Orçamento do Estado para 2021, o chefe do Executivo frisou que a proposta só chumbará se o Bloco de Esquerda e o PCP “somarem os seus votos à direita”. E não excluiu um Orçamento Retificativo no próximo ano, se a evolução da pandemia e da recuperação económica a isso obrigarem.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

StayAway Covid. Costa diz que houve “aumento significativo” de emissão de códigos de infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião