Downloads da app da Covid disparam para quase 2 milhões

Número de novos downloads da Stayaway Covid está a disparar desde que António Costa anunciou que pretende tornar a app obrigatória. Atraiu mais de 400 mil portugueses em dois dias.

Com o Governo a pretender que a Stayaway Covid passe a ser obrigatória, há cada vez mais portugueses a instalarem a aplicação desenvolvida pelo INESC TEC. Em apenas 24 horas, foram registados mais de 250 mil novos downloads da app que pretende rastrear as infeções pelo novo coronavírus, depois das 177 mil no dia anterior.

A Stayaway Covid ficou disponível nas lojas da Apple e do Google no final de agosto, superando a fasquia do milhão de downloads menos de um mês depois da estreia. Atualmente, de acordo com dados do INESC TEC cedidos ao ECO, já foram feitas 1.939.044 descargas da aplicação (sendo que uma mesma pessoa pode descarregar várias vezes). Este número está a disparar desde quarta-feira.

Foi no Conselho de Ministros que António Costa anunciou que pretendia que a app fosse descarregada obrigatoriamente para utilização “em contexto laboral, escolar e académico, nas forças armadas e nas forças de segurança, e no conjunto da Administração Pública”. A proposta de lei já deu entrada na Assembleia da República, prevendo coimas até aos 500 euros para quem não a utilizar.

Esta decisão tem vindo a gerar polémica. Vários partidos vieram manifestar-se contra a medida, sendo que até a líder parlamentar da bancada do PS, Ana Catarina Mendes, veio afirmar que a proposta de lei suscita “dúvidas de constitucionalidade”. E Marcelo Rebelo de Sousa admitiu solicitar a fiscalização preventiva da medida ao Constitucional.

Tornar a Stayaway Covid, que recorre ao Bluetooth dos telemóveis para detetar possíveis contágios por Covid-19, obrigatória, o que provocou surpresa no INESC TEC, levou a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) a afirmar que “impor por lei a utilização da aplicação Stayaway, seja em que contexto for, suscita graves questões relativas à privacidade dos cidadãos”.

Entretanto, com os números de novas infeções por Covid-19 a dispararem, atingindo novos recordes sucessivos — chegaram aos 2.608 casos esta sexta-feira –, Costa veio reiterar que tanto as máscaras na rua como a utilização da app são essenciais. Em Bruxelas, o primeiro-ministro afirmou que as medidas que estão a ser tomadas agora para conter a propagação do novo coronavírus são as necessárias, apontando que se não forem adotadas agora, no futuro “vamos ter de estar a adotar medidas muito mais restritivas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Downloads da app da Covid disparam para quase 2 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião