Roubo de cargas: Equipamentos PPE na mira do ladrão europeu

  • ECO Seguros
  • 18 Outubro 2020

85 milhões de euros de furtos e roubos de cargas foram contabilizados na Europa no 1º semestre do ano. Muitos relacionados com a Covid, mas também 50 camiões de uma transportadora em Murcia.

Na Europa mais de 85 milhões euros de produtos foram roubados de cadeias logísticas aéreas, rodoviárias, marítimas e ferroviárias de 46 países analisados, só no 1º semestre deste ano, revelou o site especializado Freightweek, citando o relatório Incident Information Service (IIS), publicado pela Transported Asset Protection Association’s (TAPA).

Produtos relacionados com a Covid foram, naturalmente, dos mais procurados pelos ladrões ocupando o topo da lista as 680 mil máscaras furtadas na República Checa, as 500 mil tiradas ao dono em França e as 200 mil máscaras desviadas em conjunto com um camião estacionado numa área de serviço de uma auto estrada espanhola. Logo em março, 130 mil rolos de papel higiénico foram retirados de reboques em Walsall no Reino Unido.

A TAPA assinala que neste semestre e devido às condições excecionais relacionadas com a Covid-19, os furtos oportunistas e ad-hoc baixaram, mantendo-se os realizados por redes organizadas que procuram bens específicos, previamente encomendados. Vários relatos indicam assaltos a camiões dos quais nada desapareceu e a razão plausível é a de não conterem a carga pretendida.

Entre os bens mais procurados os PC e laptops contaram para quase 10 milhões de euros dos 85 milhões roubados, seguido dos produtos farmacêuticos e dos furtos de camiões ou atrelados sem carga, tabaco, Vestuário e Calçado e alimentação e bebidas, cosmética, aparelhos telefónicos e artigos desportivos.

Entre os incidentes mais volumosos conta-se o roubo violento de PC e laptops no valor de 8,8 milhões de euros de um camião em Nuneatom, Reino Unido, em março. Em abril Espanha registou dois casos emblemáticos: Um furto de equipamentos PPE de proteção pessoal em Santiago de Compostela no valor de 5 milhões de euros; E o furto de 50 camiões de uma transportadora por uma sua concorrente, em Murcia, Espanha. A Polícia detetou 7 destes camiões com matrículas falsas a caminho de Madrid para serem vendidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roubo de cargas: Equipamentos PPE na mira do ladrão europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião