Lagarde admite mais estímulos. “Caixa de ferramentas do BCE ainda não se esgotou”

  • ECO
  • 19 Outubro 2020

Presidente do BCE não descarta mais estímulos à economia se a crise provocada pela pandemia se agravar. Lagarde defendeu ainda que se torne permanente o Fundo de Recuperação.

Perante a possibilidade de a crise piorar, com a pandemia a arrastar-se, a presidente do Banco Central Europeu (BCE) garante que “as opções na caixa de ferramentas não se esgotaram”. “Se for necessário fazer mais, nós faremos mais”, assegurou Christine Lagarde em entrevista ao jornal francês Le Monde, citada pela Bloomberg (acesso condicionado).

“Desde a retoma que assistimos desde o verão, a recuperação tem sido desigual, incerta e incompleta e os riscos estão a perder força. Vamos manter uma vigilância apertada sobre os indicadores ao longo do outono”, referiu a responsável francesa.

Christine Lagarde defendeu também que os líderes da União Europeia devem considerar se o Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros da região se poderia tornar numa ferramenta permanente, mantendo-se na “caixa de ferramentas” do bloco para o caso de ser necessário novamente.

“Espero que haja debate em torno de uma ferramenta orçamental comum para a Zona Euro e que seja enriquecido pela nossa experiência atual”, sublinhou.

Na mesma entrevista, Lagarde disse que é importante que os estímulos dos governos não sejam retirados “prematuramente”, sob pena que atrasar a recuperação das economias perante o impacto da pandemia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde admite mais estímulos. “Caixa de ferramentas do BCE ainda não se esgotou”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião