Há 1.876 novos casos de Covid-19. Morreram 15 pessoas

Nas últimas 24 horas foram identificados 1.876 novos casos de coronavírus em Portugal. O número total de pessoas infetadas sobe para 103.736.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 1.876 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 103.736 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma subida diária de 1,84%. O número total de vítimas mortais subiu para 2.213 após terem sido registadas mais 15 mortes nas últimas 24 horas.

Há agora 39.625 pessoas (casos ativos) a lutarem contra a doença, menos 71 pessoas do que no balanço anterior. Tal como tem sido a tendência verificada nos últimos dias, a maioria dos novos casos foi registada na região Norte. Dos 1.876 novos casos confirmados no total das últimas 24 horas, 1.106 localizam-se nesta região (cerca de 59%), seguidos pela região de Lisboa e Vale do Tejo, que contabilizou 435 novas infeções (23,2%).

Ainda assim, Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais casos até ao momento (48.596 casos de infeção e 890 mortes), seguindo-se o Norte (41.542 casos e 976 mortes), o Centro (8.546 casos e 281 mortes), o Algarve (2.266 casos e 22 mortes) e o Alentejo (2.113 casos e 29 mortes). Nas regiões autónomas, os Açores registam 328 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira já registou 345 pessoas infetadas e continua sem registar nenhuma vítima mortal.

Boletim epidemiológico de 20 de outubro:

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 1.237 estão internados (mais 63 face ao dia anterior) em enfermaria geral e 176 em unidades de cuidados intensivos (mais 11). Há ainda 56.126 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, mais 701 do que no balanço de segunda-feira.

Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 1.932 recuperados, um número bastante superior relativamente ao último balanço. No total, já 61.898 pessoas recuperaram da doença.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h22)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 1.876 novos casos de Covid-19. Morreram 15 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião