Quedas de 1% da energia e do BCP arrastam Lisboa para o vermelho

O PSI-20 destacou-se pela negativa numa sessão em que os pares europeus se dividiram entre ganhos e perdas numa altura em que a pandemia não dá tréguas no Velho Continente.

A bolsa nacional encerrou em queda pela segunda sessão consecutiva, destacando-se com o pior registo na Europa. O vermelho imperou entre a maioria dos títulos do PSI-20, mas o índice bolsista nacional cedeu sobretudo à pressão dos títulos da energia — EDP e Galp Energia — e do BCP que deslizaram mais de 1%.

O PSI-20 desvalorizou 1,02% para os 4.171,15 pontos, com apenas duas cotadas a escapar às quedas. Tratou-se do pior registo a nível europeu, que superou a queda de 0,8% do DAX alemão e de 0,3% do Stoxx 600, índice que agrega as principais capitalizações bolsistas do Velho Continente. Pela positiva destaque para o ganho de 1,1% tanto do CAC francês como do IBEX espanhol. Já o britânico FTSE somou 0,3%.

O sentimento dos investidores europeus acusa por um lado o crescendo no número de novos contágios pelo novo coronavírus que está a levar vários países da Europa a assumirem medidas de contenção mais duras. Por outro lado, os investidores revelam alguma confiança relativamente a um desfecho positivo nas negociações com vista a um novo pacote de ajuda económica nos EUA.

Em Lisboa, foram sobretudo as cotadas do setor da energia, mas também o BCP que mais pesaram no rumo negativo do PSI-20. As ações da EDP recuaram 1,17%, para os 3,032 euros, enquanto as da participada EDP Renováveis cedeu 0,24%, para os 10,7 euros. Por sua vez, as ações da Galp Energia perderam 1,08%, para os 8,092 euros.

Para o único banco cotado na bolsa nacional — o BCP — a sessão foi selada com uma queda de 1,03%, para os 7,7 cêntimos por ações. Mais dilatadas foram as desvalorizações das papeleiras Altri e Navigator, que registaram quedas de 3,2% e 2,71%, respetivamente, para os 3,628 e 2,08 euros. Já os CTT recuaram 3,03%, para os 2,4 euros.

A impedir perdas maiores, estiveram a Jerónimo Martins e a Mota-Engil. Os títulos da retalhista avançaram 0,51%, para os 14,66 euros, enquanto os da construtora avançaram 2,54%, para os 1,132 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quedas de 1% da energia e do BCP arrastam Lisboa para o vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião