Ainda não há estímulos mas negociações sustentam Wall Street

A época de resultados continua igualmente a centrar as atenções dos investidores. Mas a Intel afunda 11% após ter apresentados contas.

Há uma semana que as negociações para um novo pacote de estímulos orçamentais nos EUA estão a condicionar Wall Street. Mas apesar de ainda não haver acordo para os milhares de milhões de dólares em novos apoios às empresas e famílias, a expectativa está a sustentar os índices acionistas norte-americanos.

As principais bolsas arrancaram a sessão em alta, com os investidores a apostarem num acordo ainda antes das eleições presidenciais nos EUA, que estão marcadas para 3 de novembro. O industrial Dow Jones ganha 0,16% para 28.409,65 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 avança 0,33% para 3.464,90 pontos e o tecnológico Nasdaq soma 0,26% para 11.536,01 pontos.

Os democratas na Câmara dos Representantes e a Administração Trump têm negociado ao longo da semana um pacote de ajuda orçamental que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, espera que ultrapasse os dois biliões de dólares. O secretário de Estado do Tesouro, Steven Mnuchin — que representa o lado dos republicanos e pretende diminuir o cheque –, afirmou esta quinta-feira que as conversações estão “quase lá”, sendo ainda necessário fechar alguns pormenores.

Além deste assunto, Wall Street tem ainda focado a época de resultados relativos ao terceiro trimestre do ano, que está a permitir perceber o impacto da pandemia nas empresas. Esta sexta-feira foi a vez de a Intel divulgar ao mercado receitas acima do esperado. No entanto, as vulnerabilidades no negócio de dados demonstradas geraram receios e as ações da empresa afundam 11%, para 48,03 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ainda não há estímulos mas negociações sustentam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião