FMI alerta para risco de retirada prematura de apoios às empresas. Pode ter “impacto severo” nos bancos

Ajustamento demasiado rápido dos estímulos pode comprometer liquidez das empresas e, consequentemente, a qualidade dos ativos detidos pelos bancos, aponta o Relatório de Estabilidade Financeira.

Os apoios sem precedentes lançados por países e bancos centrais desde o início da pandemia têm sido eficazes em manter as condições de financiamento das empresas das maiores economias do mundo, mas é preciso garantir que não há uma retirada prematura das medidas em vigor que comprometa este trabalho. O alerta é feito pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no Relatório de Estabilidade Financeira divulgado esta sexta-feira.

“O financiamento das empresas não financeiras aumentou em março e no segundo trimestre de 2020, com estas a beneficiarem das políticas de apoio sem precedentes resultantes da crise do coronavírus“, começa por dizer o FMI, apontando para condições favoráveis de financiamento nos países do G7.

Foram as medidas orçamentais, monetárias e financeiras que permitiram “normalizar as condições financeiras” e às empresas lidar com os choques de liquidez gerados pela pandemia, que ainda se faziam sentir de forma mais residual no final de junho.

As empresas continuaram a conseguir financiar-se, apesar da deterioração da solvência e das maiores dificuldades sentidas especialmente por empresas mais endividadas. Aliás, a análise do FMI indica que medidas direcionadas diretamente para as empresas tiveram especial efeito nas que já tinham vulnerabilidades de liquidez.

É neste cenário que o fundo de Bretton Woods alerta que é necessário não tirar o tapete às empresas. “A retirada prematura de apoio político poderá comprometer o sucesso alcançado até agora na resposta às necessidades de financiamento e liquidez do setor empresarial“, refere.

É que, além das dificuldades em navegar a reabertura das economias que poderão levar os decisores políticos a agir demasiado depressa, há também os constrangimentos financeiros já que os Estados estão a ficar condicionados no espaço orçamental que têm para responder à pandemia.

O FMI recomenda, por isso, atenção no ajustamento dos estímulos, a par de um maior acompanhamento por parte das autoridades de supervisão das vulnerabilidades das empresas, nomeadamente considerando instrumentos de política macroprudencial para travar o elevado endividamento. Estas opções poderão, na perspetiva do FMI, ajudar a prevenir o eventual impacto da deterioração das condições financeiras para todo o sistema financeiro.

“Além da calibração do apoio ao financiamento e à liquidez por decisores das políticas orçamentais e monetárias, um assunto chave para a estabilidade financeira no curto e médio prazo será a deterioração da solvência no resultado da quebra da rentabilidade induzida pela pandemia e o aumento do endividamento privado”, aponta o FMI.

Esta deterioração poderá ter um “severo impacto” na qualidade dos ativos dos bancos e na adequação de capital, o que por ser turno pode condicionar a concessão de crédito às empresas nos próximos trimestres.

O nível de eventual cicatrização económica após a crise da Covid-19 vai depender em larga medida de quão bem o sistema financeiro — apoiado de forma excecionalmente grande pelas políticas atuais — conseguir responder à procura das empresas por liquidez durante a crise. Isto significa prevenir empresas ainda solventes de enfrentarem dificuldades de liquidez e tornarem-se entidades insolventes ou forçadas a restringir significativamente as suas atividades”, acrescenta o FMI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI alerta para risco de retirada prematura de apoios às empresas. Pode ter “impacto severo” nos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião