Lisboa tem 14 novas lojas com história. Vista Alegre e Padaria de São Roque entre as nomeadas  

Vista Alegre, Tapetes de Arraiolos Trevo, Viúva Lamego, Drogaria Oriental e Restaurante Clara são algumas das 14 novas lojas com história que agora se juntam às mais de 100.

De forma a apoiar o comércio tradicional de Lisboa, foram distinguidas 14 novas lojas com história este mês de outubro. Neste novo lote de lojas emblemáticas são os restaurantes e as lojas de porcelanas o grupo mais representado.

Esta distinção é instituída pela Câmara Municipal de Lisboa e o programa tem como missão “posicionar o comércio como marca diferenciadora da cidade, o que exige a articulação de diferentes e complementares medidas, no âmbito de uma estratégia que ligue as três áreas de atividade municipal: planeamento urbano e elementos arquitetónicos, património cultural e atividades económicas”, lê-se em comunicado.

A “Vista Alegre” e a “Viúva Lamego” foram as lojas distinguidas no setor das porcelanas, enquanto na restauração foi distinguido o “Restaurante Clara Jardim”, “Restaurante Sancho”, “Solar dos Nunes”, “Cafélia Ribeiro”, “Padaria de São Roque”, “Procópio Bar” e a “A Paródia. Também a loja de equipamentos náuticos “J. Garraio”, a “Artemoldura”, os “Tapetes de Arraiolos Trevo”, a “Drogaria Oriental” e a “Livraria Ler” passaram a juntar-se às mais de 100 lojas com história.

Conheça as lojas com história nesta galeria:

Em 2017 foi aprovado o Regime de Reconhecimento e Proteção de Estabelecimentos e Entidades de Interesse Histórico com o objetivo de proteger as lojas da liberalização das rendas e estabeleceu que os contratos têm proteção legal por cinco ou dez anos dependendo do regime de arrendamento em que se encontram. As Lojas com História estão isentas de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e as despesas de conservação e manutenção são consideradas a 110% no apuramento do lucro tributável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa tem 14 novas lojas com história. Vista Alegre e Padaria de São Roque entre as nomeadas  

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião