Médicos vão receber totalidade das horas extra desde março

Os médicos de Saúde Pública vão receber a totalidade do trabalho suplementar feito desde março, anunciou a ministra da Saúde.

A ministra da Saúde anunciou esta sexta-feira que os médicos de Saúde Pública vão receber “todo o trabalho suplementar que por eles foi ou venha a ser realizado”, para além das primeiras 200 horas de trabalho anuais efetuadas fora do período normal de trabalho.

“Este pagamento deve ser feito desde março do corrente ano, ou seja, desde que foram suspensos por determinação do Governo, através do decreto-lei 10-A/2020, os limites legalmente previstos para a realização de trabalho extraordinário ou suplementar”, explicou a ministra da Saúde, na conferência de imprensa da DGS desta sexta-feira.

Segundo Marta Temido, a decisão resultou de um parecer da Procuradoria-Geral da República, pedido pelo Ministério da Saúde, e que será publicado em Diário da República. Este regime vai manter-se “enquanto estiver em vigor esta situação” de crise sanitária, sinalizou.

Linha Saúde 24 vai passar testes à Covid-19

Num esforço para reduzir “a pressão” sobre o SNS, a ministra da Saúde anunciou também que, a partir desta sexta-feira, vão poder ser requisitados testes de despiste à Covid-19 a partir da Linha Saúde 24.

Além disso, Marta Temido adiantou ainda que o Governo aceitou a proposta da Cruz Vermelha Portuguesa para o fornecimento de testes rápidos ao novo coronavírus. “O Ministério da Saúde aceitou a disponibilidade da Cruz vermelha para o fornecimento de testes rápidos de antigénio“, sinalizou a ministra da Saúde.

A responsável adiantou ainda que estão já pré-reservados pela entidade “um total meio milhão de testes rápidos”. Estes testes vão ser recebidos de “forma faseada“, sendo que 100 mil testes chegam “na primeira semana de novembro”, explicou Marta Temido.

Durante a conferência de imprensa desta sexta-feira, a ministra da Saúde fez ainda um balanço sobre a capacidade do SNS. Marta Temido explicou que no total o SNS tem cerca de 21 mil camas específicas, um número que já inclui camas em hospitais especializados, como psiquiátricos ou oncologia, e, por isso, consideram-se apenas 19.700 camas. Destas são “sensivelmente 34% no Norte, 21% no Centro, 36% em Lisboa e Vale do Tejo, 4% no Alentejo e 4% no Algarve”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Médicos vão receber totalidade das horas extra desde março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião