Governo espanhol decreta estado de emergência e quer que dure até abril

  • ECO
  • 25 Outubro 2020

O Governo espanhol decretou este domingo o estado de emergência por 15 dias. No entanto, a intenção de Pedro Sánchez é manter o estado de emergência até abril do próximo ano.

O Governo espanhol decidiu este domingo que está na hora de voltar ao estado de emergência para combater a propagação da pandemia. Este só pode ser decretado para um período de 15 dias, mas a intenção de Pedro Sánchez é que o estado de emergência seja prolongado até abril do próximo ano, de acordo com o El País.

No Conselho de Ministros extraordinário deste domingo ficou definido que haverá um recolher obrigatório em todo o país das 23h às 6h da manhã. No entanto, os Governos regionais poderão mudar ligeiramente este período, atrasando ou adiantando em uma hora o recolher obrigatório.

Para já, o Governo apenas aprovar o estado de emergência durante 15 dias, mas o texto do decreto irá incluir a necessidade de ser prorrogado pelo Parlamento espanhol por um período mais longo, até abril do próximo ano. Este decreto dá a proteção legal para implementar medidas mais restritivas para combater a segunda onda de infeções no país.

A expectativa é que este estado de emergência seja mais suave do que aquele que foi decretado há sete meses a 14 de março para enfrentar a primeira onda de infeções da pandemia. O objetivo é baixar o ritmo de propagação do vírus para ter números mais baixos durante a época natalícia.

As deslocações entre regiões também estarão limitadas ao necessário, como por motivos de trabalho ou de saúde. Porém, as fronteiras externas de Espanha vão manter-se abertas para já, ao contrário do que aconteceu no primeiro estado de emergência.

De acordo com o El País, mais de 30% das transmissões do vírus estão a ocorrer durante eventos sociais nas casas.

(Notícia atualizada às 13h01 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo espanhol decreta estado de emergência e quer que dure até abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião