Construtora Sacyr vende negócio em África à angolana Griner por 33 milhões de euros

  • Lusa
  • 26 Outubro 2020

A construtora espanhola Sacyr anunciou que vendeu ao grupo angolano Griner as três filiais que operam em Angola, Moçambique e Cabo Verde, por 33 milhões de euros, excluindo a dívida.

A construtora espanhola Sacyr anunciou esta segunda-feira que vendeu ao grupo angolano Griner as três filiais que operam em Angola, Moçambique e Cabo Verde, por 33 milhões de euros, excluindo a dívida, sujeito a aprovações regulamentares.

“A Sacyr assinou um contrato de compra e venda com o grupo angolano Griner para a venda de três filiais: Sacyr Somague Angola, Sacyr Somague Moçambique e CVC Sacyr Somague em Cabo Verde”, lê-se num comunicado enviado hoje à Lusa.

“Esta operação enquadra-se na estratégia da Sacyr de reduzir o risco de construção em mercados não estratégicos e colocar o foco da sua atividade no negócio de concessões nos seus mercados de referência”, que representa “cerca de 80% do EBITDA [lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] do grupo”, acrescenta-se no texto.

Depois de formalizada a venda, que depende ainda da aprovação dos reguladores, “a Sacyr dará apoio técnico aos projetos de maior complexidade em curso, como o Porto de Nacala e a empreitada de construção civil da área 1 do projeto de LNG em Moçambique, ou as DMU e o porto de Namibe em Angola, para garantir uma transição plenamente satisfatória para os clientes”.

A Sacyr entrou na atividade da construção no mercado africano, em geral, e lusófono em particular, pela mão da sua filial portuguesa, a Sacyr Somague, que tem vários projetos importantes nos três países em termos de obras públicas, como portos, autoestradas e hospitais, e também de construções residenciais e instalações desportivas, aponta-se ainda no comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Construtora Sacyr vende negócio em África à angolana Griner por 33 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião