Artista Mishima Kimiyo em Lisboa para “provocar” sociedade consumista

A exposição de uma das mais importantes artistas contemporâneas japonesas está na Galeria Sokyo."Breakable Print Matter" diz o seu público em relação aos seus trabalhos que podem ser vistos em Lisboa.

A fotografia escolhida para o artigo diz muito sobre a obra e a própria Mishima Kimiyo. Em japonês escreveu “Frágil” numa peça de cerâmica. Ou seja, o sarcasmo e sentido de humor que expressa através das suas obras, numa permanente ansiedade em relação à abundância de informação e ao consumismo de uma sociedade onde tudo é rapidamente descartado.

Começou na pintura, mas no início dos anos 1960 aventura-se nas colagens com materiais impressos como jornais e revistas, entre eles páginas da LIFE, colecionada pelo marido. Uma forma de comunicar com a sociedade, com os materiais reais do seu dia-a-dia a serem usados nas obras de arte numa clara ligação às suas vivências.

Mishima Kimiyo aprendeu a técnica da serigrafia e nos anos 70 começou a trabalhar com cerâmica, aplicando os materiais impressos numa fina camada de barro através da serigrafia. Trabalhos tridimensionais tão realistas que quase parece lixo real, o que faz com que o seu público lhes chame “Breakable print matter”.

O momento em que começou a prestar atenção ao chamado lixo diário, coincide com o período de grande crescimento económico do Japão, que tal como os Estados Unidos se torna numa sociedade de consumo. A cerâmica — central na sua obra, pela sua durabilidade — foi um dos fatores que atraiu a artista, por não mudar, por não ser reciclada, assumindo uma missão de criar objetos permanentes, que nos recordam que esses produtos não vão desaparecer.

A exposição individual que acaba de inaugurar na Galeria Sokyo, em Lisboa, inclui obras de diferentes fases da sua carreira, desde 1969 até trabalhos recentes.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Artista Mishima Kimiyo em Lisboa para “provocar” sociedade consumista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião