Startup de Famalicão cria sapatilhas com borra de café e borracha reciclada

  • Lusa
  • 27 Outubro 2020

Startup cria sapatilhas sapatilhas vegan produzidas a partir de borras de café, borracha reciclada e fibras naturais de coco e de ananás.

Uma startup de Vila Nova de Famalicão criou umas sapatilhas sapatilhas vegan produzidas a partir de borras de café, borracha reciclada e fibras naturais de coco e de ananás, anunciou esta terça-feira o município.

Em comunicado, aquela autarquia do distrito de Braga acrescenta que se trata de um produto para um público com consciência ambiental, mas que simultaneamente aprecia o design e o conforto.

As sapatilhas foram criadas pela Re-Coffee, um projeto de jovens empreendedores iniciado em Vila Nova de Famalicão a partir de uma “epifania” de Rui Monteiro, estudante de Engenharia de Materiais na Universidade do Minho.

Rui Monteiro já trabalha na direção de qualidade de uma empresa, a mesma que lhe deu a oportunidade para passar as suas ideias para a prática.

“Não foi um processo fácil. Foi preciso perceber como secar e esterilizar as borras para neutralizar a substância, mas descobri um mundo de possibilidades”, refere Rui Monteiro, citado no comunicado.

O projeto Re-Coffee foi implementado em outubro de 2019, com o lançamento da primeira linha de sapatilhas feita através do reaproveitamento da borra do café e de borracha reciclada, aliando-se a outros materiais reciclados ou recicláveis.

O revestimento da sapatilha é feito através da tal matéria-prima nova desenvolvida por Rui Monteiro e batizada de “coffee leather”, combinando 50% de borra de café e 50% de borracha reciclada.

A sola possui 30% de borra de café e 70% de borracha reciclada.

São borras de cerca de 33 cafés expressos em cada par de sapatilhas, que estão à venda no Facebook e Instagram da Re-Coffee e no site da Etsy.

O pioneirismo da marca valeu-lhe já o reconhecimento municipal, com a atribuição do selo Famalicão Visão 25, na categoria Famalicão Made IN.

O presidente da Câmara, Paulo Cunha, elogiou a iniciativa, sublinhando que aplica “de forma sublime a tese da economia circular, caminhando para o ideal de eliminação total de resíduos no processo produtivo”.

O autarca manifestou ainda orgulho por ver germinar no concelho “um projeto com este rasgo empreendedor, por gente jovem e criativa”.

A coleção Kaffa Line é unissexo e Rui Monteiro assegura que, com dois anos e “muito uso”, as sapatilhas “ainda cheiram a café”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup de Famalicão cria sapatilhas com borra de café e borracha reciclada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião