António Costa disponível para aceitar medidas “razoáveis e possíveis” na especialidade

  • Lusa
  • 28 Outubro 2020

"Vamos trabalhar para acolher as propostas que sejam razoáveis, possíveis e permitam ultrapassar limitações e insuficiências que os partidos identificaram", diz Costa.

O primeiro-ministro congratulou-se com a aprovação do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade e manifestou disponibilidade por parte do Governo para aceitar propostas “razoáveis e possíveis” na fase de discussão do diploma na especialidade.

António Costa falava na Assembleia da República, momentos depois de a proposta de Orçamento ter sido aprovada na generalidade com os votos favoráveis do PS e as abstenções do PCP, PAN, PEV e das deputadas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues, com a oposição do PSD, BE, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal.

Numa breve declaração aos jornalistas, o primeiro-ministro observou que, a partir de agora, se entra na fase de especialidade do processo orçamental no Parlamento.

“Com toda a abertura, como sempre tivemos, vamos trabalhar para acolher as propostas que sejam razoáveis, possíveis e permitam ultrapassar limitações e insuficiências que os partidos identificaram. Agora, o trabalho é da Assembleia da República e o Governo colaborará ativamente com todos”, afirmou.

Na sequência da aprovação da proposta do Governo na generalidade, António Costa considerou que foi dado “um passo muito importante para o país poder ter um bom Orçamento no próximo ano, tendo em vista responder à crise, através do reforço do Serviço Nacional de Saúde”.

Foi dado um passo importante para o país dispor de um Orçamento que permita proteger todos, sem deixar ninguém para trás, e para apoiar fortemente a recuperação económica e a manutenção do emprego”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa disponível para aceitar medidas “razoáveis e possíveis” na especialidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião