Inundações: França estima danos segurados de 210 milhões euros

  • ECO Seguros
  • 28 Outubro 2020

Mais de dois terços do custo resulta de casas danificadas pela tempestade Alex, que se abateu sobre os Alpes Marítimos. A estimativa da FFA exclui os danos em infraestruturas públicas não seguradas.

No seguimento das inundações que causaram vítimas mortais e destruição no departamento de Alpes Maritimes, no sudeste de França, as seguradoras e a Caisse Centrale de Reassurance (CCR), organismo público de resseguro que beneficia de garantia do Estado, fizeram uma primeira estimativa do número de sinistros e dos custos relacionados.

Em comunicado, a Fédération Française de l’Assurance (FFA) adianta que deverão ser apresentadas 14 mil participações de sinistros, representando um custo total de danos segurados estimado em 210 milhões de euros.

Reiterando que as seguradoras e a CCR estão mobilizadas para responder aos sinistros com a maior brevidade, a FFA quantifica 8250 sinistros já recenseados. O valor estimado de 210 milhões de euros distribui-se e 72% pelos estragos em habitações, equipamento e bens agrícolas (25%) e automóveis (3%). Os danos em infraestruturas públicas não seguradas estão excluídos da fatura, refere a fonte advertindo que a estimativa poderá ser revista à medida que as zonas afetadas reúnam a totalidade de declarações de sinistros que vão sendo apresentadas.

Ainda, de acordo com a informação da federação francesa de seguros, a tempestade Alex, que esteve na origem das inundações nos Alpes Maritimes, também causou estragos na região da Bretanha, na costa atlântica, sobretudo devido aos ventos fortes, tendo sido contabilizadas cerca de 39 mil declarações de sinistro, por montante estimado de 78 milhões de euros de danos segurados.

Numa nota anterior, a FFA informou que um total de 55 comunas dos Alpes Maritimes foram atingidas pelas intempéries e abrangidas pela declaração de catástrofe natural decretada pelas autoridades. Neste quadro, os segurados vítimas do evento catastrófico gozam de um prazo extraordinário (até 15 de novembro) para apresentarem as participações de sinistros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inundações: França estima danos segurados de 210 milhões euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião