Global Media vai avançar com despedimento coletivo de 81 colaboradores

  • Lusa
  • 30 Outubro 2020

O processo de despedimento coletivo abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em "diferentes áreas", segundo o grupo.

A Global Media, dona do DN, JN e TSF, entre outros, vai “iniciar um processo de despedimento coletivo que abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em diferentes áreas”, anunciou esta sexta-feira a empresa.

Em abril, a Global Media anunciou que ia entrar em processo de ‘lay-off’, abrangendo 538 trabalhadores, para defender a sua sustentabilidade e os “seus quase 700 postos de trabalho diretos”.

Esta sexta-feira, num comunicado interno a que a Lusa teve acesso, a administração da Global Media começa por dizer que “a evolução acentuadamente negativa do mercado dos media, agora mais evidente com a presente pandemia, precipitou os meios de comunicação social numa crise sem precedentes a que importa responder com fortes medidas de contenção”.

Perante a “profunda quebra de receitas do setor, em particular na área da imprensa, impõe à Global Notícias, Media Group, SA uma opção difícil, mas inadiável: iniciar um processo de despedimento coletivo que abrange 81 colaboradores, 17 dos quais jornalistas, em diferentes áreas da empresa”, lê-se no comunicado.

“Trata-se de uma decisão que, ponderando o respeito e a dignidade de todos os envolvidos, é assumida na plena consciência dos custos sociais que provoca, mas também na certeza de que as medidas que estamos a tomar permitem ao Global Media Group regressar a um nível económico e financeiro saudável, garantir a proteção de várias centenas de postos de trabalho e a continuidade dos inestimáveis serviços que os nossos meios de informação, alguns deles centenários, vêm prestando à comunidade, com qualidade e independência”, justifica a Global Media.

A sustentabilidade “é condição essencial para assegurar o equilíbrio e o pluralismo no setor da economia que dá corpo ao princípio constitucional que enforma as liberdades de informação e expressão”, mas atualmente é “impossível ignorar a profunda retração dos mercados de media, no quadro da crise global cujos efeitos diretos e indiretos já atingem todos os setores económicos”, prossegue.

“Com este pano de fundo, temos vindo a desenvolver um conjunto de ações de contenção, a todos os níveis, que todavia se têm revelado insuficientes para permitir inverter os desequilíbrios existentes”, afirma a administração, no comunicado enviado aos seus trabalhadores.

“É, pois, responsabilidade da administração assumir a urgência de respostas adequadas, tornando-se indispensável ir mais longe nos objetivos de restruturação, de modo a ultrapassar os obstáculos de mercado e de conjuntura”, acrescenta, admitindo que além do despedimento coletivo, “outras [medidas] foram e serão tomadas”.

“Cientes da acrescida responsabilidade social que lhes advém do facto de gerirem um grupo de media cujo objeto tem associado um conceito de serviço à coletividade, e que lhes impõe a ponderação de valores, princípios e os mais exigentes critérios éticos, a administração e os acionistas do Global Media Group garantem aos seus colaboradores, clientes, parceiros e aos portugueses, em geral, que tudo farão para garantir a sustentabilidade das suas empresas e a perenidade dos seus principais títulos”, conclui.

(Notícia atualizada às 19h33)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Global Media vai avançar com despedimento coletivo de 81 colaboradores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião