Quase 40% dos portugueses querem aumentar as poupanças

  • ECO
  • 30 Outubro 2020

Quase 40% dos portugueses afirmam que precisam de aumentar as poupanças, sendo que esta tendência tem especial incidência nos agregados familiares com quatro ou mais pessoas.

Portugal é tradicionalmente um país com índices de poupança baixos. Contudo, os portugueses estão cada vez mais cautelosos no que diz respeito à gestão dos seus rendimentos. Quase 40% dos portugueses revelam que precisam de aumentar as suas poupanças.

Segundo o mais recente inquérito desenvolvido pelo Grupo Ageas Portugal e a Eurogroup Consulting Portugal, 39% dos inquiridos afirmam que precisam de aumentar as suas poupanças, “com especial incidência nos agregados familiares com quatro ou mais pessoas”.

Estes resultados vão ao encontro dos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelaram uma maior preocupação dos portugueses no que toca às poupanças. No segundo trimestre deste ano, a taxa de poupança em Portugal aumentou 10,6%, ou seja, uma subida de 3,1 pontos percentuais face ao valor registado no primeiro trimestre (7,5%). Trata-se da taxa de poupança mais elevada desde o segundo trimestre de 2013.

Ainda no que diz respeito à gestão dos rendimentos, mais de seis em cada dez portugueses (62%) revelam um desconforto generalizado em relação à hipótese de contrair um empréstimo ou hipoteca nos próximos meses, isto apesar da relativa confiança nos rendimentos a 18 meses, já que 59% acredita que o seu nível de rendimentos não será alterado ao longo desse período. Ainda assim, um quarto dos portugueses prefere poupar o dinheiro, ao invés de o gastar neste momento.

Além disso, o estudo revela ainda um “evidente aumento das necessidades de proteção pessoal de saúde” para quase metade dos inquiridos (45%), especialmente para mulheres, jovens e para os “inquiridos com níveis de rendimento mais baixos”, sinaliza a nota de imprensa conjunta. Neste âmbito, o aumento é transversal a todas as famílias, independentemente da dimensão do agregado familiar.

Este sábado assinala-se o dia Mundial da Poupança. A ideia de criar uma data especial para promover a noção de poupança surgiu em 1924, durante o primeiro Congresso Internacional de Economia, em Milão. O objetivo é alertar os consumidores para a necessidade de disciplinar gastos e pôr algum dinheiro de lado para acautelar situações de sobre-endividamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase 40% dos portugueses querem aumentar as poupanças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião