Empreendedor português cria sapatos de canábis com a ajuda da avó

Startup portuguesa 8000Kicks desenvolveu sapatos feitas a partir de canábis e materiais 100% veganos e eco sustentáveis. 80% da produção destina-se aos EUA.

Os produtos de canábis estão na moda. Normalmente trata-se de farmacêutica ou alimentação, mas desta vez é no calçado que a planta é aplicada. Da mente do empreendedor Bernardo Carreira com a ajuda da avó Otília Santarém nasceram as 8000Kicks, uns sapatos feitas a partir de canábis resistentes à água.

Nascido em Portugal, Bernardo Carreira estudou e trabalhou nos EUA, mas em 2018 voltou para à origem, em Minde. Foi na pequena vila ribatejana — que era no século passado campo fértil em fábricas têxteis — que procurou um projeto pessoal que fosse ao encontro dos seus valores. Após algum tempo à deriva, surgiu a ideia “maluca”, como a sua avó a rotulou, de criar uns sapatos à base de canábis.

“Ele apareceu com umas ideias estranhas e pediu-me ajuda para fazer umas coisas num tecido de canábis. Mais uma das maluqueiras dele, pensei eu!” diz a avó, em comunicado. Mas não era. A ideia passou do papel e depois de um ano de investigação, muitas vistas a várias fábricas de Norte a Sul e muitas noites no ateliê da avó, nasceu a startup.

Bernardo Carreira conta que a avó, que tem mais de 50 anos de experiência no cluster do têxtil, é uma espécie de “braço direito” e foi quem o ajudou na escolha dos tecidos e no desenvolvimento do protótipo. “Fizemos imensos modelos até chegarmos ao final. Demorámos quase um ano a desenvolver este produto”, diz.

Em maio do ano passado surgem no mercado os primeiros sapatos de canábis resistentes à agua. Os ténis são feitos totalmente em fibra de cânhamo, criados a partir de materiais 100% veganos e eco sustentáveis. O produto destina-se essencialmente ao mercado externo, sendo que 80% da produção é comercializada nos EUA.

“O canábis consome cinco vezes menos água que o algodão, cresce organicamente e não precisa de herbicidas nem pesticidas ao contrário do algodão.

Bernardo Carreira

Fundador da 8000Kicks

Os sapatos de canábis resistentes à agua estão disponíveis em duas cores e estão à venda exclusivamente na loja online da marca por 129 dólares (115 euros).

Além do canábis, a equipa escolheu outros materiais sustentáveis. As palmilhas também são feitas de cânhamo, que cresce organicamente e têm propriedades são antimicrobianas e antibacterianas. “São as primeiras palmilhas de cânhamo do mundo”, conta. As solas são feitas a partir de algas recolhidas de lagos e oceanos.

Bernardo Carreira destaca que já encomendou cânhamo de mais de 50 fábricas nacionais e internacionais. “A nossa primeira encomenda foi dois mil metros quadrados de tecido de cânhamo impermeabilizado”.

Desde os Descobrimentos que cânhamo está no têxtil português

A escolha prende-se com a sustentabilidade do material. “O canábis consome cinco vezes menos água que o algodão, cresce organicamente e não precisa de herbicidas nem pesticidas ao contrário do algodão. Para além do mais, a canábis purifica os solos e captura CO2″, explica ao ECO o fundador.

Bernardo Carreira exemplifica: “uma bota de pele pode ter um impacto de 30 kg de CO2 no ambiente, enquanto os nossos sapatos têm um impacto no ambiente a nível de pegada ecológica de 4,1%”.

O fundador da startup conta ter descoberto as propriedades têxteis “muito boas” da canábis como a resistência. “Todas as velas das caravelas portuguesas dos descobridores eram feitas de cânhamo. Todas as cordas eram feitas deste material porque o material é mesmo muito resistente, logo o sapato tem uma grande durabilidade”, refere.

Nada foi ao acaso e até o nome “8000Kicks” tem uma justificação. “Eight thousand vem de oito mil ano antes de Cristo que foi quando surgiu a canábis em Taiwan. O canábis tem dez mil anos, é da mesma idade da agricultura. Foi das primeiras plantas a ser plantadas e decidimos homenagear esta história”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empreendedor português cria sapatos de canábis com a ajuda da avó

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião