Insurance Europe quer fundos investimento de longo prazo mais flexíveis

  • ECO Seguros
  • 2 Novembro 2020

A federação europeia de seguros sugere que os ELTIF devem ser mais “abertos e diversificados," por forma a atrair interesse de investidores institucionais importantes, como são as seguradoras.

A Insurance Europe, federação europeia da indústria seguradora, participou na avaliação – promovida pela Comissão Europeia (CE) – ao impacto da revisão aos regulamentos aplicados aos designados ELTIF (fundos de investimento de longo prazo da UE).

Em nota que sintetiza a resposta à consulta do órgão executivo europeu, a Insurance Europe (IE) reafirma o apoio às propostas da CE para reduzir as barreiras regulatórias que têm dificultado o desenvolvimento dos ELTIF e recorda a importância das seguradoras enquanto investidores institucionais que procuram aceder a ativos rentáveis e que ajudem a diversificar carteiras.

No entanto, os ELTIF têm-se mostrado pouco flexíveis e menos atrativos do que outros fundos de investimento alternativo, observa a IE. Por isso, a federação associativa do seguro europeu sugere que a Comissão Europeia trabalhe no refinamento dos ELTIF, “tornando-os mais atrativos para os investidores institucionais,” pedindo ainda a remoção das restrições que inibem o interesse por parte da indústria seguradora.

Concretizando, o comunicado da Insurance Europe sugere que a revisão do quadro jurídico dos ELTIF deveria incidir em três aspetos:

Desenho dos fundos: os ELTIFs deveriam deixar de estar limitados a fundos fechados, considerando a possibilidade de subscrição regular e resgates com intervalos apropriados;
Composição e diversificação de carteiras: os ELTIFs poderiam ser aperfeiçoados no sentido de proporcionar mais flexibilidade e proteção aos investidores a que se dirigem, em particular quanto aos limiares dos instrumentos financeiros que os compõem e em relação aos limites de diversificação das carteiras;
Elegibilidade dos ativos de investimento: o âmbito dos ativos elegíveis deveria alargar-se por forma a melhorar a diversificação e liquidez dos fundos de investimento de longo prazo.

Os designados ELTIF, criados por legislação europeia aprovada em 2015, têm como objetivo atrair investimento de investidores institucionais e do retalho visando aumentar as fontes de financiamento privado disponibilizado às empresas da União Europeia.

Em Portugal, segundo regulamentos da CMVM, os ELTIF beneficiam do regime previsto para as sociedades de investimento em capital de risco, sendo-lhes ainda aplicáveis, com necessárias adaptações, regras de organização e de funcionamento específicas de veículos ou sociedades autogeridos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurance Europe quer fundos investimento de longo prazo mais flexíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião