Seguradoras preveem aumento das despesas nos planos de saúde das empresas

  • ECO Seguros e Lusa
  • 5 Novembro 2020

Trabalho remoto e o estilo de vida mais sedentário, que incluem doenças do foro mental e musculoesqueléticas contribuem para um aumento de 2% nas despesas de saúde das empresas portuguesas.

Quase 70% das seguradoras em vários países esperam um aumento das despesas nos planos de saúde das empresas relacionadas com diagnósticos, cuidados e tratamento da Covid-19, segundo o estudo Health Trends 2020, da Mercer Marsh Benefits divulgado hoje.

Segundo o estudo, “68% das seguradoras preveem um aumento do número das despesas relacionadas com diagnósticos, cuidados e tratamentos à covid-19”.

O estudo contempla informação recolhida entre junho e julho respeitante a planos de saúde de empresas de 59 países, incluindo tendências anuais na área da saúde, com base em dados de 240 seguradoras, segundo informação disponibilizada em comunicado.

“As seguradoras admitem aumentos com os custos dos planos de saúde oferecidos pelas empresas e que continuem a superar a inflação em 2021”, pode ler-se no comunicado.

Segundo o documento, em 2019, as seguradoras reportaram aumentos com custos na ordem dos 9,7%, “sendo pouco menos de três vezes a taxa de inflação”.

Já em 2020, “preveem um aumento de 9,5% com despesas médicas” e, em 2021, “90% afirmam que esta tendência se irá manter ou aumentar”, lê-se no documento.

Em Portugal, o crescimento estimado em 2019 com custos médicos era de 1,5%, sendo que a taxa de inflação estimada nesse ano rondava os 0,3% e em 2020 “a taxa projetada com custos médicos fixa-se nos 2,0%, sendo que a previsão da taxa de inflação é de -0,2%”, acrescenta o documento.

Paulo Fradinho, da Mercer Marsh Benefits em Portugal, citado no comunicado, refere que a covid-19 “impactou profundamente a sociedade e economia, e em especial os cuidados de saúde”.

“Acreditamos que as despesas com os mesmos vão continuar a aumentar, desta vez devido a questões relacionadas com o trabalho remoto e o estilo de vida mais sedentário, que incluem doenças do foro mental e musculoesqueléticas, e as preocupações constantes com as implicações a longo prazo que a covid-19 trará para a saúde mental e física”, afirma Paulo Fradinho.

Para o responsável da Mercer Marsh Benefits em Portugal, “com o objetivo de responder aos novos desafios impostos pelo trabalho remoto e conter os custos, as empresas precisam de repensar radicalmente o leque de benefícios que oferecem aos colaboradores e de que forma poderão apresentá-los”.

O estudo revela ainda um aumento no número de seguradoras que oferecem consultas médicas virtuais (teleconsultas), com 59% a afirmarem que esta solução foi uma parte ativa da abordagem atual do plano de gestão, aumentando em 38% face a 2019.

Além disso, 55% das seguradoras referem que os seus planos cobrem agora iniciativas de saúde preventiva, como rastreios, e 20% indicam estar ainda em fase de testes ou com planos já desenvolvidos, prontos para serem implementados nos próximos 24 meses.

De acordo com o estudo, “pouco mais de metade das seguradoras espera que os planos de saúde das empresas possam cobrir uma vacina para a Covid-19, especialmente na América Latina”.

“Foram ainda encontradas lacunas no que respeita ao apoio à saúde mental, apesar do aumento de pedidos verificados durante a pandemia”, lê-se no documento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradoras preveem aumento das despesas nos planos de saúde das empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião