Saída de José Gomes Mendes justificada por incompatibilidade com ministro

  • ECO
  • 10 Novembro 2020

A saída não aconteceu em setembro -- quando António Costa realizou uma remodelação neste nível de governação -- pois assim lhe foi pedido pelo próprio primeiro-ministro.

O secretário de Estado do Planeamento José Gomes Mendes pediu demissão na semana passada, cinco anos depois de ter integrado o Governo e apenas oito semanas após o primeiro-ministro ter feito uma remodelação de secretários de Estado. A razão para a saída, até agora desconhecida, terá sido a incompatibilidade com o ministro Nelson de Souza, segundo noticia esta terça-feira o Público (acesso condicionado).

Segundo apurou o jornal, divergências e incompatibilidades com o ministro do Planeamento Nelson de Souza terão estado na origem do pedido de demissão. A saída não aconteceu em setembro — quando António Costa realizou uma remodelação neste nível de governação — pois assim lhe foi pedido pelo próprio primeiro-ministro. “Havia um compromisso com o primeiro-ministro que exigia que o Plano [de Recuperação] estivesse pronto para ser entregue em Bruxelas no dia 15 de outubro e foi isso que aconteceu“, explicou.

Ainda assim, o ex-governante faz um balanço positivo do percurso pelo Governo, onde desempenhou funções de secretário de Estado adjunto da Mobilidade no ministério tutelado por João Pedro Matos Fernandes. “Adorei. Saio muito feliz e pessoalmente realizado, mas a avaliação do meu trabalho será feita pelos outros”, acrescentou José Gomes Mendes ao Público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saída de José Gomes Mendes justificada por incompatibilidade com ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião