EDP fecha acordo para vender energia à Novartis em Espanha

  • ECO
  • 19 Novembro 2020

EDP Renováveis já garantiu, em Espanha, CAEs para projetos no total de 229 MW a serem instalados de 2020 a 2023.

A EDP Renováveis fechou mais um contrato em Espanha, desta vez com a Novartis. Neste novo Contrato de Compra de Energia (CAE), que terá uma duração de 15 anos, a empresa portuguesa vai fornecer energia renovável à farmacêutica que será produzida a partir de uma carteira de 63 MW.

Em comunicado enviado à CMVM, a EDP Renováveis diz que este CAE prevê a “venda da eletricidade a ser produzida por um portefólio de 63 MW de energia renovável“. “O portefólio compreende um parque eólico de 36 MW e um parque fotovoltaico de 27 MW, com instalação prevista para 2022/23”, acrescenta.

Com este novo contrato com a farmacêutica Novartis, a EDP Renováveis já garantiu, em Espanha, CAEs para projetos no total de 229 MW a serem instalados de 2020 a 2023“, salienta a companhia controlada pela EDP.

Até à data, a empresa já contratou 86% da meta de cerca de 7 GW em nova capacidade eólica e solar a nível mundial, pretendida para o período de 2019-2022, e que foi anunciada no Plano Estratégico do grupo EDP, em março de 2019. A EDPR garante que irá continuar a analisar e a desenvolver projetos por todo o mundo que cumpram os seus critérios de risco e de rentabilidade.

“O anúncio deste novo PPA revela que mantemos um progresso rápido na execução do nosso plano de negócios, mas principalmente a importância das renováveis como fonte de energia competitiva e limpa para os nossos clientes de várias indústrias”, destacou Rui Teixeira, CEO interino da EDP Renováveis, em comunicado

Do lado da Novartis, Montse Montaner, Chief Sustainability Officer, disse que a sustentabilidade ambiental está alinhada com a nossa finalidade de reinventar a medicina e de aumentar a esperança de vida das pessoas. A eficiência energética e as soluções de energia renovável são os pilares da nossa estratégia para reduzir as emissões. Temos o orgulho de contarmos com a EDP Renováveis e com outros parceiros que pensam da mesma forma nesta nossa viagem pela sustentabilidade ambiental.”

Novartis celebra cinco contratos de compra de energia com a Acciona, EDP Renováveis e Enel Green Power

No total, a Novartis anunciou esta quinta-feira cinco contratos de compra de energia virtual (VPPAs), com três parceiros, que devem acrescentar mais de 275 megawatts de energia renovável à rede elétrica. A eletricidade eólica e solar serão geradas a partir de seis projetos de energias renováveis, ​​desenvolvidos por três fornecedores diferentes – Acciona, EDP Renováveis e Enel Green Power. Todos os projetos estarão localizados em Espanha.

Espera-se que os projetos estejam operacionais em 2023 e que contribuam para a redução da pegada de carbono da empresa nas suas operações europeias durante um período de 10 anos. Este esforço equivale à remoção de mais de 113 000 veículos de passageiros das estradas, por ano. Os acordos europeus seguem o VPPA recentemente implementado com o parque eólico Santa Rita East no Texas, EUA, que atualmente compensa 100% da eletricidade usada nas operações da Novartis nos EUA e Canadá”, disse a empresa em comunicado.

“Estes acordos representam um marco importante na política de sustentabilidade ambiental da Novartis e no objetivo de tornar as nossas operações neutras em carbono até 2025 e em toda a cadeia de valor até 2030“, afirmou ainda afirma Montse Montaner.

A Schneider Electric, enquanto especialista global em gestão de energia, apoiou a Novartis na seleção e nas negociações dos projetos. A Baker McKenzie prestou assessoria em todos os aspetos jurídicos relacionados com os VPPAs.

“A assinatura de cinco acordos permite à Novartis diversificar o risco em tecnologia, localização, contraparte e estrutura de negócio, criando um portfólio equilibrado de energia renovável em Espanha”, afirmou John Powers, vice-presidente da Global Renewables and Cleantech da Schneider Electric.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP fecha acordo para vender energia à Novartis em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião