UE tem sido lenta demais a controlar as big tech, avisa auditor externo

  • ECO
  • 19 Novembro 2020

Tribunal de Contas da União Europeia considera que Bruxelas devia criar ferramentas anticoncorrenciais que permitam intervir mais cedo num mercado em que as big tech têm esmagado rivais.

Bruxelas falhou no controlo das big tech porque agiu de forma demasiado lenta e porque faltou força legal para impedir que tecnológicas como a Google e Facebook esmagassem a concorrência, segundo um novo relatório do auditor externo da União Europeia.

De acordo com a análise do Tribunal de Contas da União Europeia, citado pelo Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês), como as investigações anticoncorrenciais na UE costumam ser demasiado longas, a aplicação das regras só ocorre depois de as grandes companhias tecnológicas terem eliminado as empresas rivais.

Neste sentido, o auditor recomenda a UE a encontrar formas de intervir mais cedo, pois longas investigações anticoncorrenciais “podem afetar negativamente a eficácia das decisões”.

A Comissão não dispõe atualmente de ferramentas que lhe permitam intervir antes da ocorrência de problemas de concorrência“, referem os autores do relatório que analisou as tentativas da UE para controlar as big tech.

Acrescentaram que a UE analisa geralmente as questões da concorrência através das quotas de mercado das empresas, dos preços dos bens ou serviços e das margens de lucro. Porém, estes critérios não foram “suficientes” no hora de “definir o poder de mercado e avaliar a concorrência” no que diz respeito a empresas como Google e Facebook.

Por outro lado, nos mercados digitais, companhias como a Amazon, que são tanto marketplace como vendedor de serviços, e grandes plataformas online podem aproveitar o elevado número de utilizadores que têm para estabelecer condições injustas, conclui o relatório.

A análise do Tribunal de Contas da UE considera que a Comissão estava mal preparada e mal equipada para lidar com um setor onde as empresas cresceram de forma tão acelerada que as big tech competem pelo mercado e não dentro de um mercado, “levando a resultados ‘winner-takes-all‘”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE tem sido lenta demais a controlar as big tech, avisa auditor externo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião