Fábrica 2030. Portugal e a reindustrialização europeia

  • ECO
  • 21 Novembro 2020

Na manhã de dia 24, o ECO junta empresários, gestores, economistas e decisores e promove a discussão sobre a reindustrialização portuguesa e europeia. Uma conferência na fábrica da Polopiqué.

A pandemia do covid-19 acelerou a discussão sobre a reindustrialização da Europa, não apenas do ponto de vista da economia como da soberania política, relativamente a outros grandes mercados, como o chinês e o americano. E Portugal, que papel deve ter neste contexto? Deve trabalhar numa estratégia de reindustrialização do país ou entrar nas cadeias de valor da reindustrialização europeia e potenciar as vantagens competitivas que já tem?

Portugal entrega um plano de retoma para a década em outubro – a estratégia para utilizar os 50 mil milhões de euros de fundos comunitários –, uma oportunidade para definir opções, com meios e tempo. Porque a reindustrialização do século XXI não passa por construir mais ‘chaminés’, mas por inovação, desenvolvimento, tecnologia e serviços.

No quarto aniversário, o ECO junta empresários, gestores, economistas como Ana Lehmann (Professora Associada da FEP-Universidade do Porto), Carlos Ribas (CEO Bosch Portugal), César Araújo (Presidente da ANIVEC), Fernando Alexandre (Professor associado Universidade do Minho), Luís Onofre (Presidente da APICCAPS), Luís Guimarães (CEO Polopiqué), Luís Miguel Ribeiro (Presidente AEP), Pedro Castro e Almeida (CEO Santander Portugal), Sara do Ó (CEO Grupo YOUR) e Miguel Cardoso Pinto (presidente da EY Parthenon) e promove a discussão sobre as alternativas possíveis. Como é que Portugal vai utilizar os fundos comunitários e com que objetivos, quando a indústria perde peso em relação aos serviços? Os setores exportadores ‘ditos’ tradicionais são também dos que mais têm investido em inovação e desenvolvimento. E agora, com o novo Banco de Fomento Português, será também necessário discutir os instrumentos financeiros a usar nesta estratégia.

O encerramento da conferência contará com Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital.

Para discutir a indústria e a reindustrialização do país, o ECO vai realizar esta conferência dentro de uma fábrica, o espaço ideal para promover esta discussão. Na unidade de fiação da Polopiqué, uma empresa têxtil de Santo Tirso, promoveremos esta conferência, com limitação de convidados ao número autorizado pela DGS (vinte pessoas) e que será transmitido no site do ECO e na página de Facebook.

09h45 Welcome Note

António Costa (Diretor) e Luís Guimarães (Presidente da Polopiqué)

10h00 Reindustrializar Portugal ou participar na reindustrialização europeia?

Ana Lehmann (Professora)

Pedro Castro e Almeida (Presidente do Santander)

Fernando Alexandre (Professor)

César Araújo (ANIVEC)

10h45 O caso alemão

Carlos Ribas (presidente da Bosch Portugal)

11h15 O que Portugal tem (e o que não tem)?

Sara do Ó (YOUR)

Luís Onofre (APICCAPS)

Luís Miguel Ribeiro (AEP)

Miguel Cardoso Pinto (EY Parthenon)

12h00 Encerramento

Pedro Siza Vieira (Ministro de Estado e da Economia)

 

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Fábrica 2030. Portugal e a reindustrialização europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião