Juros implícitos no crédito da casa aliviam pelo segundo mês

A taxa de juro implícita no crédito à habitação fixou-se nos 0,932%, em outubro, para globalidade dos contratos.

Os juros implícitos do crédito da casa aliviaram em outubro pelo segundo mês seguido, após terem atingido máximos de cinco meses. A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos desceu para fixar-se nos 0,932% em outubro, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

“A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi 0,932% em outubro (0,966% no mês anterior). Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu de 0,966% em setembro para 0,914% em outubro”, adianta o gabinete de estatísticas.

Nos contratos de financiamento de aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita registou uma descida de 3,4 pontos base face a setembro, fixando-se nos 0,951% no mês passado. No que se refere aos contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro para este destino de financiamento fixou-se em 0,911% em outubro, abaixo dos 0,961% verificados no mês anterior.

Evolução dos juros implícitos no crédito da casa

Fonte: INE

Quanto ao valor médio da prestação vencida, para a totalidade dos contratos, registou-se uma subida de um euro para os 227 euros, depois de três meses sem alteração. Deste valor, 43 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 184 euros (81%) a capital amortizado.

Em outubro, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 161 euros face ao mês anterior, fixando-se nos 54.645 euros. Para os contratos celebrados nos últimos 3 meses, o montante médio do capital em dívida foi 109.727 euros, mais 1.478 euros que em setembro, acrescenta o INE.

(Notícia atualizada às 12h05)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Juros implícitos no crédito da casa aliviam pelo segundo mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião