Há 5.290 novos casos de Covid-19 e morreram 71 pessoas. Doentes em UCI voltam a bater recorde

As autoridades de saúde detetaram 5.290 novos casos de coronavírus e o número de internados nos cuidados intensivos (UCI) voltou a bater um recorde. 71 pessoas morreram da doença nas últimas 24 horas.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) identificou 5.290 novos casos de infeção por Covid-19 em Portugal, elevando para 274.011 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma taxa de crescimento diária de 1,97% que é 0,49 pontos percentuais acima da do dia anterior.

Há, atualmente, 80.528 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus, um acréscimo de 96 face ao balanço anterior. 189.356 pessoas já foram dadas como recuperadas da doença, um acréscimo diário de 5.123 pessoas que foram dadas como recuperadas no último dia.

O número de doentes internados em unidades de cuidados intensivos voltou a subir, sendo agora de 517 pessoas em estado muito grave por causa da doença, um valor recorde, num total de 3.251 doentes internados, uma redução de 21.

Morreram também mais 71 pessoas nas últimas 24 horas, o que eleva para 4.127 o total de vítimas mortais desta pandemia no país.

Boletim epidemiológico de 25 de novembro:

Na distribuição dos novos casos por regiões, o Norte continua a ser a zona do país mais fustigada pela pandemia. Registaram-se 3.224 novos casos nesta região, assim como 35 mortes, onde já foram detetados um total de 143.129 casos de Covid-19.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a segunda mais fustigada. Nas últimas 24 horas, houve registo de 1.177 novos casos e 25 mortes. Segue-se o Centro, com 506 novos casos e dez mortes em resultado da infeção.

O boletim epidemiológico desta quarta-feira dá conta, por fim, de um total de 81.946 pessoas sob vigilância ativa das autoridades de saúde, por terem estado em contacto com outras pessoas entretanto diagnosticadas com Covid-19.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h43)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 5.290 novos casos de Covid-19 e morreram 71 pessoas. Doentes em UCI voltam a bater recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião