Portugal acusado de criticar mecanismo de defesa do Estado de direito. “Jogou” ao lado da Polónia e Hungria

  • ECO
  • 29 Novembro 2020

No Conselho da UE, Portugal também criticou a proposta de condicionar os fundos europeus ao respeito pelo Estado de direito, em contradição com as declarações públicas do primeiro-ministro.

Portugal esteve do lado da Polónia e da Hungria nas críticas à introdução de um mecanismo de “proteção” para o Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) em caso de violação dos princípios do Estado de direito. A acusação surge numa investigação do Público (acesso condicionado), numa altura em que a “bazuca” continua num impasse depois do anunciado veto daqueles dois países.

O jornal cita várias fontes para mostrar como Portugal criticou o condicionamento dos fundos ao respeito pelo Estado de direito no Conselho da UE nas reuniões à porta fechada. A diplomacia alemã assinalou nas atas que Portugal foi “muito crítico” da medida, em contradição com as declarações públicas do primeiro-ministro, António Costa.

O jornal cita também o anterior ministro dos Negócios Estrangeiros da Polónia, Witold Waszczykowski, agora eurodeputado do partido Lei e Justiça (PiS), que afirmou: “Por vezes a oposição acusa-nos de apoiar apenas um país, a Hungria, mas sabemos que isso não é assim. O Grupo de Visegrado, e vários outros países, como a Eslovénia, Letónia e Portugal, jogaram do nosso lado.”

Em resposta ao Público, o Ministério dos Negócios Estrangeiros assegura que “não é verdade que o Governo tenha defendido que ‘não há qualquer ligação’ entre o princípio do Estado de Direito e as regras orçamentais da UE”, e explica que “a posição do Governo foi sempre de disponibilidade para encontrar uma solução que permitisse alcançar um acordo global em que todos os Estados-membros se revissem, que respeitasse o equilíbrio de um consenso”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal acusado de criticar mecanismo de defesa do Estado de direito. “Jogou” ao lado da Polónia e Hungria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião