Governo quer Natal com “mínimo de regras”, mas Ano Novo terá “todas as restrições”. Medidas serão anunciadas no sábado

  • ECO
  • 1 Dezembro 2020

A intenção do Governo é que, no Natal, os portugueses tenham "o máximo de pedagogia e o mínimo de regras". Mas, para o Ano Novo, não haverá tolerância, revelou o primeiro-ministro.

O Governo vai anunciar no próximo sábado as medidas para o período do Natal e do Ano Novo, para que as famílias e agentes económicos possam ter uma “perceção” de como será o período das festas com alguma antecipação. Desde já, numa entrevista ao Observador, António Costa revelou que o objetivo é ter “o máximo de pedagogia e o mínimo de regras” no Natal, mas a passagem do ano “vai ter todas as restrições”.

Sobre os dias 24 e 25 de dezembro, António Costa apontou ser o objetivo do Governo que “as pessoas pudessem deslocar-se, que pudessem encontrar-se em segurança, evitando ao máximo os riscos de contágio”. “Vamos todos fazer um esforço para podermos ter um Natal com as melhores condições, mas a passagem do ano vai ter todas as restrições porque aí não pode haver qualquer tipo de tolerância”, disse o primeiro-ministro.

“O Governo propôs ao Presidente da República, e o Presidente da República aceitou, que desta vez, quando anunciarmos a renovação do estado de emergência, possamos anunciar não só as medidas para a próxima quinzena, mas as que vão vigorar também para a quinzena seguinte, até 6 ou 7 de janeiro. É fundamental que as famílias e agentes económicos possam ter uma noção antecipada de como vai ser o Natal”, apontou o primeiro-ministro na entrevista.

Na quinta-feira de manhã, está agendada uma reunião com especialistas no Infarmed, sendo este o dia em que os técnicos terão “os números mais atualizados sobre a evolução da pandemia nas próximas semanas”. “Esta semana é decisiva para podermos tomar essas decisões, que serão anunciadas no próximo sábado”, apontou António Costa. Antes, na entrevista, avançou também que, na quinta-feira à tarde, o Governo anunciará os detalhes do plano nacional de vacinação contra a Covid-19.

Sem querer antecipar medidas em concreto para o Natal, o primeiro-ministro disse que “o desejo é que o Natal fosse um Natal normal”. Contudo, reconheceu que “não vai poder ser um Natal normal”. “Isso é evidente”, acrescentou. De seguida, explicou: “Estamos a trabalhar com especialistas para ver se eles nos podem definir um conjunto de variáveis em que possam informar as pessoas para que as famílias possam ter a perceção de como podem ter um Natal da forma mais segura possível.”

“Há uma coisa que sabemos: quanto mais o Natal for à mesa, mais perigoso é, porque à mesa estamos sem máscara. Quanto mais as pessoas estiverem à mesa, mais perigoso é, porque maior é o risco de contaminação”, sublinhou. Por isso, a intenção é que os especialistas “ajudassem as pessoas e as famílias a poderem compreender bem a lógica de transmissão do vírus”, afirmou, frisando que “vamos ter o máximo de pedagogia e o mínimo de regras”.

Salientando que a decisão final só será mesmo tomada depois da reunião do Infarmed e anunciada no sábado, o chefe do Governo reiterou, contudo: “O que é que gostaríamos? O nosso objetivo coletivo devia ser a 24 e a 25 que as pessoas pudessem deslocar-se, que pudessem encontrar-se em segurança, evitando ao máximo os riscos de contágio.”

“Ora, os riscos de contágio variam em função de n fatores. Há muitas zonas em que o momento alto do Natal é ao ar livre, à volta do madeiro. Sabemos que o risco é menor ao ar livre do que num espaço fechado. Sabemos que, à mesa, o risco de contágio é maior”, concluiu o primeiro-ministro.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h53)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer Natal com “mínimo de regras”, mas Ano Novo terá “todas as restrições”. Medidas serão anunciadas no sábado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião