BRANDS' PESSOAS Breve balanço de 2020

  • PESSOAS + EY
  • 7 Dezembro 2020

Patrícia Vicente, Manager EY, People Advisory Services, realça as transformações positivas que o contexto da pandemia trouxe às pessoas e às organizações, apesar de todos os desafios de 2020.

Apesar de todos os acontecimentos menos bons deixarem marcas e dissabores, é importante olharmos de forma positiva, crítica e construtiva para o ano inesperado e desafiador que está a terminar.

Chegámos a dezembro. Mês de balanços e análises, de projeções e novas perspetivas. 2020 talvez tenha sido o ano que a maioria de nós mais desejou que chegasse ao fim, pela carga de esperança e renovação que se coloca numa mudança de ano. Sair de um ano que desde o início nos colocou em constante transformação, adaptação, mudança e insegurança, e passar para um novo ano que, esperamos, nos trará de novo o regresso a um dia-a-dia sem limitações (ou pelo menos menores), maior segurança e saúde para todos. Do lado das organizações, a entrada num novo ano, ainda assim, antevê um período desafiante, com desafios económicos generalizados, que vão exigir revisões na organização das equipas, adaptações dos processos e a construção de uma estratégia ajustada a um período de recuperação ainda que imprevisível.

Apesar de todos os acontecimentos menos bons deixarem marcas e dissabores, é importante olharmos de forma positiva, crítica e construtiva para o ano inesperado e desafiador que está a terminar. Sobre um conjunto de restrições e inseguranças, com impacto pessoal e profissional, é possível termos uma visão sobre as transformações positivas que o contexto de pandemia trouxe às pessoas e às organizações, e que inevitavelmente vão permanecer no nosso dia-a-dia, ainda que com algumas adaptações.

A ampliação tecnológica ocorrida este ano é sem dúvida a maior das transformações que podemos assinalar. Nomeadamente quando analisamos a extensão alcançada a nível das empresas e das pessoas, particularmente nas mais resistentes à adoção de ferramentas digitais ou à automatização de processos. Sem este salto dificilmente teríamos conseguido dar continuidade às atividades e responsabilidades a partir das nossas residências – pelo menos para a maioria – e o balanço que estaríamos agora a fazer seria desastroso. As áreas de sistemas de informação tiveram aqui um papel essencial, de garantir as condições necessárias para a continuidade do trabalho num formato remoto e as pessoas demonstraram uma enorme capacidade de adaptação a um novo formato de trabalho num contexto de insegurança e instabilidade social.

O teletrabalho, que até 2019 era considerado por grande parte das empresas, uma possibilidade apenas para algumas funções – poucas eram as organizações que já tinham adotado este formato de trabalho e aquelas que o tinham não era num formato permanente – passou com distinção como um modelo de trabalho funcional e exequível, com reduzido ou nenhum impacto na qualidade, na entrega e na eficácia dos processos de trabalho – naturalmente que ainda assim é essencial garantir o eixo tecnológico referido anteriormente. O teletrabalho veio claramente para ficar em 2021 e nos próximos anos, por um lado pela flexibilidade que concede às pessoas contribuindo para a relação vida pessoal vs trabalho mais positiva e flexível, por outro, pela possibilidade de redução de custos que concede às organizações, em custos fixos e consumíveis, mesmo que estes se revertam noutro tipo de benefícios mais adequados a este novo formato de trabalho. Esse será o desafio das organizações para 2021: adaptar modelos de trabalho e estruturas de benefícios.

Por fim, e essencial para a superação de um ano carregado de transformações, foi o desenvolvimento ou consolidação de competências-chave para que mesmo num contexto de instabilidade e desconhecimento, conseguíssemos manter o bem-estar e cumpríssemos com a nossa missão nas organizações e essencialmente nas nossas vidas. A resiliência e a capacidade de adaptação foram duas competências fundamentais para levarmos o ano que agora termina de forma positiva e capaz de superar os desafios diários com que nos deparámos, tanto para as pessoas como para as organizações. Por um lado, a forma como os processos, as rotinas e as ferramentas foram adaptadas, garantindo o cumprimento do propósito e as responsabilidades atribuídas. E, por outro, a capacidade de superar obstáculos, ainda que num contexto imprevisível, desconhecido e tenso, foi essencial no reforço das equipas de trabalho, na gestão dos clientes e no contacto com os parceiros.

A capacidade de transformação de cada um de nós neste contexto atípico é sem dúvida a grande lição que podemos tirar de 2020 – somos capazes de nos transformar perante a mudança e o imprevisível! Vamos sair bem e reforçados de 2020, conhecendo os nossos limites e as nossas forças. Este é um ano que vamos guardar nas nossas memórias pelas piores razões. Contudo devemos levar connosco os aspetos positivos que 2020 nos obrigou a encontrar e termos sempre presente que a solução está, na maioria das vezes, aqui ao lado, mesmo que por vezes haja um caminho a fazer para e lá chegar. Que chegue o novo ano carregado de energia positiva!

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Breve balanço de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião