Preço médio das prendas de Natal desce para 22 euros em 2020

  • Rita Robalo Rosa
  • 16 Dezembro 2020

Vestuário, cultura e perfumaria são as prendas que os portugueses mais querem receber no Natal. O preço médio de cada prenda baixou 16 euros face a 2019, para 22 euros em 2020.

As intenções dos portugueses de oferecerem prendas no Natal mantêm-se estáveis face ao ano passado, apesar da pandemia de Covid-19. No entanto, o preço médio por cada presente desceu de 38 euros para 22 euros, uma redução de 16 euros face a 2019, mostra um inquérito realizado pelo Observador Cetelem. A maioria quer receber vestuário, produtos culturais ou de perfumaria.

Os portugueses pretendem continuar a oferecer prendas nesta época festiva e, em média, um presente por pessoa. Mas os inquiridos vão dar, no total, prendas a cinco pessoas, menos uma do que no ano passado.

No que diz respeito às ofertas, metade dos inquiridos escolhe vestuário (50%) e produtos culturais (30%). Adicionalmente, vinhos e outras bebidas (45%) e brinquedos (47%) encontram-se também na lista das ofertas.

As ofertas vão ao encontro do que os portugueses mais querem receber. Em 2020, vestuário continua a ser a prenda preferida de 34% dos inquiridos neste estudo. No entanto, o destaque vai para os produtos culturais, um desejo de 28% dos portugueses, mais 14% do que em 2019. Por outro lado, artigos de perfumaria viram um decréscimo de nove pontos percentuais, ficando-se pelos 27%.

Na lista do “Pai Natal” estão ainda relógios/joias e bebidas (16%) e dinheiro, que no ano passando, encontrava-se no pódio dos desejos de Natal e, este ano, é apenas ansiado por 12% dos inquiridos.

Centros comerciais são local preferido para compras

Apesar da pandemia e das medidas existentes, os centros comerciais continuam a ser o local preferido para fazer as compras de Natal para seis em cada dez portugueses. É, ainda assim, uma descida em comparação com 2019 (76%). Segue-se os super e hipermercados (41%) e as lojas de comércio tradicional, que tiveram um aumento da procura em 2020, de 24% para 28%.

O comércio eletrónico é escolhido por apenas 10% dos inquiridos. E, mesmo assim, 82% dos portugueses informam-se nas lojas físicas antes de realizarem a compra. Na internet, os produtos culturais lideram as compras de presentes (66%), seguindo-se brinquedos (45%) e vestuário e acessórios (44%). Com as compras online, os portugueses pretendem gastar cerca de 109 euros.

Mais de metade dos portugueses começou — ou vai começar ainda — as compras, a duas semanas do Natal. Em 2020, as compras começam mais tarde do que em 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço médio das prendas de Natal desce para 22 euros em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião